Polo de negócios, São Paulo avança no turismo de lazer

Arrecadação de ISS no setor cresceu 8,48% em 2008 e deve chegar a R$ 102,2 mi, segundo prévia da SPTuris

Adriana Carranca, O Estadao de S.Paulo

10 de janeiro de 2009 | 00h00

São Paulo vem se consolidando como destino para o turismo de lazer. A arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS) sobre hospedagens, pacotes turísticos e grandes eventos na cidade em 2008 ainda não foi fechada, mas deverá ter crescimento de 8,48%. O balanço prévio da São Paulo Turismo (SPTuris), empresa de promoção turística e de eventos da capital, mostra que a arrecadação chegará a R$ 102,2 milhões, cerca de R$ 9,4 milhões a mais do que no ano anterior. Segundo as estimativas, a receita obtida com os gastos dos turistas deve alcançar R$ 8,3 bilhões, 2,5% a mais do que em 2007. E o número de visitantes será 2,8% maior no período, chegando a 11 milhões de pessoas. A vocação de São Paulo para o turismo de lazer é reforçada por outra pesquisa, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), sobre o que traz os visitantes à cidade. Negócios e eventos profissionais atraíram no ano passado 38,5% dos turistas. Já o turismo cultural e os eventos de lazer - cultural, esportivo e social - somados às compras pessoais trouxeram 41% dos visitantes. Desses, 7% estavam de passagem para outros destinos, como o litoral ou o interior, e fizeram uma parada na capital.Como a pesquisa permitia mais de uma resposta, não é possível concluir que o turismo de lazer já ultrapassa o de negócios na cidade. O que há é uma combinação. "Negócios, cultura e compras se tornaram as praias de São Paulo", diz Caio Luiz de Carvalho, presidente da SPTuris. "Quem vem a negócios fica para aproveitar o fim de semana cultural. Até a crise financeira ajudou, porque fez com que muitos brasileiros optassem por São Paulo, e não Nova York, para compras de Natal". A média de permanência dos turistas brasileiros e estrangeiros é alta: 11 dias.SHOWSUm fator de atração para o turismo de lazer foram os shows. Somente as três apresentações da popstar Madonna trouxeram 19 mil pessoas à cidade e geraram 45 mil diárias, contribuindo para que a taxa de ocupação nos hotéis chegasse a 53% em dezembro, recorde para o mês, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado de São Paulo (Abih-SP). Os hotéis devem fechar o ano com taxa de ocupação de 70%, ante 62% em 2007. "Houve grande crescimento no turismo de entretenimento, principalmente graças a shows como o da Madonna e a eventos como a Fórmula 1, que coincidiu com o Salão do Automóvel, outro espetáculo que atrai muitos turistas", diz Maurício Bernardino, presidente da Abih-SP.O número de eventos na cidade saltou de 838 em 2007 para 1.214 este ano, um crescimento de 44,8%, segundo a São Paulo Convention & Visitors Bureau (SPCVB). A área médica liderou, com 26,3% dos eventos. "Os negócios ainda são o motor do turismo em São Paulo. Mas as boas taxas de ocupação dos hotéis nos fins de semana mostram que muita gente tem vindo para a cidade a lazer ou esticado a permanência", diz Orlando Orlando de Souza, presidente do SPCVB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.