Poluição de praia afasta turista de Florianópolis

Em Canasvieiras, visitantes usam máscaras para amenizar o mau cheiro do esgoto; surto de virose tem 50 registros por dia

Aline Torres - Especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2016 | 17h53

Florianópolis - Faz 30°C na Praia de Canasvieiras, a principal do norte de Florianópolis. O mar está fresco e o céu límpido. Vendedores oferecem drinques e água de coco. Essa poderia ser a imagem das férias ideais, se não fosse um detalhe: turistas usando máscaras na tentativa de amenizar o mau cheiro.

Em um extremo da praia fica o Riacho Beatriz; no outro, o Rio do Brás. Ambos desembocam esgoto no mar. Entre eles estão os banhistas, vítimas de um surto de virose, que começou no dia 7.

Segundo a coordenação da Unidade de Pronto Atendimento do Norte da Ilha, nos primeiros três dias foram atendidas cerca de 400 pessoas com febre, náusea, vômito e diarreia. Atualmente, são 50 casos por dia. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) relatou que 70% das pessoas investigadas com sintomas da doença frequentaram praias do norte. Além de Canasvieiras, há casos em Ingleses, Ponta das Canas e Cachoeira do Bom Jesus.

Além de afetar a saúde, a poluição prejudicou o comércio. Sandra Petersen, de 58 anos, moradora do bairro há 16 e uma das fundadoras da associação SOS Canasvieiras, diz que pousadas antes disputadas agora estão vazias. Em uma delas lia-se num cartaz “bem-vindos à praia do esgoto a céu aberto”. O protesto foi retirado por pressão dos vizinhos, que temem maior debandada dos turistas.

A SOS Canasvieiras foi criada em 28 de março de 2010. Seu principal alvo é a Companhia Catarinense de Água e Saneamento (Casan), denunciada pelo Ministério Público Federal por crime ambiental, justamente por ter uma estação que, em vez de tratar o esgoto, o despeja bruto no mar.

A Casan também foi denunciada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que detectou no Rio Papaquara quantidades muito altas de fosfato, nitrogênio e coliformes fecais, o que comprova o vazamento. O resultado é o surgimento de algas e bactérias que consomem o oxigênio da água, causando a morte de outras espécies, além do risco à saúde. O Papaquara deságua na Estação Ecológica de Carijós, uma das maiores reservas ambientais do Estado, cujos cursos d’água estão conectados com a principal bacia hidrográfica de Santa Catarina, a do Rio Ratones.

A prefeitura de Florianópolis buscou amenizar a poluição ao obstruir o encontro do Brás, construindo uma barreira de areia, facilmente desfeita pela chuva. O resultado da contenção foi a contaminação das praias do oeste – Sambaqui e Cacupé, por onde o esgoto desaguou pelo Rio Ratones, após atingir Carijós.

Na semana passada, o Ministério Público Federal abriu um inquérito para apurar as irregularidades cometidas pela Casan. A Fundação do Meio Ambiente, órgão governamental, também é investigada por liberar licença para ampliação da estação de esgoto sem estudos de impacto ambiental. A prefeitura de Florianópolis promete notificar as duas nos próximos dias.

Futuro. No fim do ano passado, um dos maiores sites de viagens, o TripAdvisor, divulgou os destinos mais procurados pelos turistas no Brasil. Florianópolis ficou em 4.° lugar. Mas é possível que a cidade despenque desse ranking. Neste ano, o primeiro relatório de balneabilidade mostra que 28 das 42 praias da Ilha têm ao menos um ponto impróprio para banho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.