Pompa do evento se limitou ao tapete vermelho

A Prefeitura estimou que 2.500 pessoas acompanharam a posse de Gilberto Kassab, mas os próprios guardas metropolitanos que faziam a segurança falavam em, no máximo, 1 mil convidados, jornalistas e curiosos. Havia de tudo - pessoas de terno e gravata, senhoras com vestido de gala, mulheres com shortinhos dignos de dançarinas de axé, jovens de camiseta e outros com camisas de time de futebol. A pompa da posse se limitou ao tapete vermelho para os convidados, seis televisores de plasma e três telões para quem não conseguiu um assento. O clima de Oscar acabou por aí - apenas água e café eram servidos enquanto Kassab não chegava. "Vim aqui para marcar presença", disse um conhecido arquiteto paulistano, que cuida de projetos de revitalização da cidade. "É só ficar aqui no tapete vermelho, apertar a mão dele, ser visto e aí posso ir embora com o dever cumprido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.