Pompeia terá piscinão e obra viária

Primeiras intervenções da Operação Água Branca, previstas para julho, incluem alargamento de rua e nova alça

Diego Zanchetta e Felipe Grandin, O Estadao de S.Paulo

01 de abril de 2009 | 00h00

A região da Pompeia, na zona oeste de São Paulo, receberá as três primeiras intervenções com recursos obtidos pela Operação Urbana Água Branca. A primeira etapa das mudanças inclui um retorno no Viaduto Pompeia, um novo reservatório de águas pluviais na Avenida Francisco Matarazzo e o alargamento da Rua Pedro Machado, via que passa sob o Viaduto Antártica, na frente do West Plaza. A licitação de R$ 17 milhões da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb) será concluída no dia 9 e as obras devem começar em julho. As empresas Delta, OAS, FBS e Gomes Lourenço estão na disputa.A Prefeitura tem R$ 50,259 milhões arrecadados nos últimos 14 anos em contrapartidas de 22 empreendimentos que construíram acima do permitido na região. É o caso do Grupo Zaffari, do Shopping Bourbon, que para construir 184 mil metros quadrados - 2,43 vezes mais que o permitido - teve de pagar contrapartida de R$ 6 milhões em 2003. Entidades de moradores criticam o atraso dos projetos previstos há mais de uma década com o dinheiro das outorgas onerosas.Do total, R$ 42,9 milhões serão investidos em melhorias no perímetro de 540 hectares das regiões de Perdizes, Pompeia, Água Branca e Barra Funda. O dinheiro será aplicado em "11 intervenções prioritárias", das quais três começam em julho. Outros R$ 7,1 milhões serão gastos com "habitações de interesse social", conforme prevê a lei, de junho de 1995. A subprefeita da Lapa, Soninha Francine, disse que as três obras escolhidas visam a melhorar, a curto prazo, o trânsito e o problema da retenção de águas das chuvas na região onde está o West Plaza e o estádio do Palmeiras. O plano viário em implementação foi aprovado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A única desapropriação necessária nessa primeira etapa será a retirada de um posto de gasolina e de seis imóveis comerciais que estão na quadra de formato triangular localizada na confluência da Avenida Pompeia com a Avenida Francisco Matarazzo, Rua Carlos Vicari e Rua Clélia. "E também estamos negociando para que o Shopping Bourbon conecte seu reservatório às galerias das ruas. Com as chuvas de março, o reservatório que capta a água da área do shopping ficou com grande parte da capacidade ociosa", afirmou a subprefeita. As duas intervenções viárias pretendem melhorar a fluidez do trânsito na Francisco Matarazzo. O alargamento da Rua Pedro Machado vai facilitar o trânsito de motoristas que saem da Avenida Auro Soares de Moura Andrade (Terminal Barra Funda) em direção à Avenida Antártica. O retorno no Viaduto Pompeia vai facilitar o acesso de veículos que hoje saem da Avenida Pompeia em direção à Lapa e não podem virar à esquerda. Após a obra, os carros farão o contorno por baixo do viaduto. As obras devem ser concluídas no início de 2010.O sistema de drenagem da Pompeia também será substituído, com a troca das galerias de 20 anos. Ao longo da Avenida Sumaré serão construídas 15 bocas de lobo.A segunda etapa das obras inclui a remoção de trilhos da CPTM para a extensão da Auro Soares de Moura Andrade. Coordenadora do Defenda SP, a urbanista Lucila Lacreta critica o fato de que parte das intervenções, como a alargamento da Rua Pedro Machado, não estava prevista no plano original. "As obras podem ser necessárias, porém usar o dinheiro do fundo da operação para essas intervenções não previstas me parece ilegal", avaliou a urbanista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.