Ponte cede no Rio Grande do Sul e dezenas desaparecem

Pedestres observavam correnteza quando árvores bateram na estrutura; dez foram resgatados com vida

Solange Spigliatti, da Central de Notícias, e Sandra Hahn, da Agência Estado,

05 Janeiro 2010 | 12h00

Pelo menos dez pessoas já foram resgatadas após a queda de uma ponte sobre o Rio Jacuí, em Agudo, na região central do Rio Grande do Sul. O comando da Brigada Militar - a polícia gaúcha - informou que oito pessoas caíram perto da margem e foram retiradas do rio. Outras duas foram resgatadas pelas equipes de salvamento.

 

Vice-prefeito de Agudo entre entre desaparecidos. Foto: Lauro Alves/RBS

 

No momento em que a ponte cedeu, por volta das 9h30 desta terça-feira, 5, cerca de 30 pessoas estariam sobre ela. A corporação começou a coletar informações sobre desaparecidos com parentes e amigos, por isso os dados ainda são imprecisos. 

 

Segundo os bombeiros, os primeiros salvamentos contaram com a ajuda de barcos de pescadores que estavam no local no momento do acidente. Entre as pessoas que estavam na ponte quando ela foi arrastada pela correnteza estava o vice-prefeito de Agudo, Hilberto Boeck (PMDB). Por volta das 16 horas ele foi resgatado, segundo a Defesa Civil.

 

Dois helicópteros da Brigada Militar e um da Força Aérea estão no local tentando localizar as vítimas, informaram os bombeiros. Não há informação sobre mortos. A ponte estava interditada para o tráfego de veículos desde a tarde de ontem em razão do transbordamento do Rio Jacuí.

 

De acordo com os bombeiros, as pessoas estavam no local presenciando a forte correnteza do rio quando as águas, que traziam muitas árvores, destruíram a estrutura da ponte, que acabou cedendo.

 

As fortes chuvas voltaram a atingir o Rio Grande do Sul na noite de domingo. Em Candelária, na região central, um agricultor está desaparecido. Ele teria sido levado pelas águas do rio Pardo enquanto tentava retirar o gado do pasto.

 

Texto atualizado às 16h15.

Mais conteúdo sobre:
chuvas RS resgate ponte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.