Ponte da Anhanguera está pronta

Sobre a Marginal, ela será aberta ao tráfego em 30 dias

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

09 Fevereiro 2009 | 00h00

A primeira ponte do Complexo Anhanguera sobre a Marginal do Tietê será aberta ao tráfego em 30 dias, segundo o governo do Estado. Ela faz parte do novo Cebolão, que tem como objetivo desafogar o trânsito na chegada da Rodovia Anhanguera e melhorar o acesso a bairros da zona oeste, Osasco e região. A obra inclui construção de viadutos, pontes e passarelas, criação de acessos e instalação de retornos, faixas adicionais e pistas marginais na estrada.A primeira ponte tem 596 metros de extensão. As outras duas, ainda em construção, compõem a intersecção da Anhanguera com a Marginal do Tietê e conforme a estimativa do governador em exercício, Alberto Goldman, serão entregues em junho. "Trata-se de uma intervenção que vai facilitar toda a movimentação na Marginal do Tietê, nas suas entradas e saídas. Vai melhorar o tráfego também na própria Anhanguera. É uma mudança em todo sistema de tráfego, melhorando o trânsito na cidade de São Paulo e nas rodovias."O complexo ajudará a desafogar parte dos congestionamento na Marginal do Tietê e facilitará a travessia sobre o Rio Tietê e a chegada à Avenida Gastão Vidigal, porta de entrada para a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), na Vila Leopoldina. Hoje, o acesso à capital para quem chega pela Anhanguera é realizado somente pela Ponte Atílio Fontana.Já a Atílio Fontana deverá passar por remodelação. Com o Complexo Anhanguera finalizado, a ponte deverá ser utilizada em sentido único da rodovia para o bairro da Lapa. PEDÁGIOO projeto do novo complexo está orçado em cerca de R$ 270 milhões e o trabalho é executado pela Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR), que reúne a ViaOeste e a AutoBan. Trata-se de compensação à extensão dos contratos de concessão , que terminariam em 2018. Além de melhorar o tráfego na região, por onde passam 100 mil veículos por dia, as novas estruturas deverão abrir caminho para a cobrança de pedágio na via expressa da Castelo - proposta em estudo pela Agência de Transporte do Estado (Artesp).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.