População de São Luis sofre com racionamento de água

Adutora rompeu pela quarta vez neste ano; Caema diz que não há previsão para solucionar o problema

Agência Brasil,

18 de setembro de 2009 | 12h37

Diversos bairros de São Luís serão submetidos a um racionamento de água, sem previsão de volta do abastecimento. O problema se agravou com o rompimento de alguns canos da Adutora Italuís, no último domingo, 13, em São Luís. Para que a adutora não sofra outros danos, a quantidade de água que passa pelos canos teve que ser reduzida.

 

Esse é o quarto rompimento apenas neste ano da adutora, o que explica a escassez de água, segundo informações da Agência Brasil. Maria Madalena Mendes, moradora do bairro de Sacavem, conta que, em sua casa a água chega apenas das 8h às 17h.

 

"Já faz uns cinco meses que está vindo água desse jeito. Aí eu encho o tanque, encho o balde, e aí de noite a gente usa do tanque e do balde. Isso atrapalha a lavar louça, atrapalha para gente tomar banho, porque no chuveiro não dá, aí tem que todo mundo tomar banho lá no quintal."

 

Mas, se Maria Madalena tem encontrado dificuldades, existem moradores de São Luís em situação ainda pior. Hoje, cerca de 30 bairros estão com problemas de abastecimento, sendo que muitos deles têm água dia sim, dia não.

 

O Diretor de Operação e Manutenção da Companhia de Água e Esgoto do Maranhão (Caema), Cristovan Teixeira Filho, explica que está havendo uma redistribuição da água, na tentativa de evitar que alguns pontos da cidade fiquem totalmente desabastecidos. Ele diz que não há previsão para que o problema seja resolvido, mas que medidas de emergência estão sendo tomadas para amenizar a situação.

 

"Vamos tentar perfurar poços, que é mais rápido, e recuperar poços aqui. Aqui a gente consegue perfurar poços e ter uma água de boa qualidade, para amenizar essa situação enquanto se desenvolve projetos. Mesmo que a gente tivesse dinheiro para fazer uma obra no Italuís, isso demoraria no mínimo de dez a 12 meses."

 

O diretor aconselha que a população evite o desperdício de água, porque a tendência é que os bairros mais baixos sejam prejudicados. Quem presenciar cenas de desperdício ou vazamentos nas ruas pode denunciar pelo número da Caema - 0800 701 0195. O telefone também pode ser usado para reclamações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.