População do Rio deve cobrar ação contra violência, diz secretário

O secretário de Segurança Pública, Roberto Aguiar, pediu nesta segunda-feira que a população cobre do próximo governo estadual a continuidade das ações implementadas na gestão Benedita da Silva (PT), em especial as relacionadas ao combate ao crime.Aguiar disse ainda que o governo petista rompeu com a conivência da polícia com os bandidos do Rio que, segundo ele, existia havia 20 anos. E que, graças ao cerco ao tráfico, a droga está 30% mais cara no Estado.?Segurança é para a paz, não se mistura com bandidagem?, afirmou Aguiar, que participou desta segunda-feira de seminário na Casa de Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).Ele fez parte da equipe de elaboração do Plano Nacional de Segurança defendido pelo presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), durante a campanha eleitoral.Ele disse que as prisões dos líderes do tráfico de drogas estão encarecendo a atividade no Rio ? o preço da maconha e da cocaína subiu 30%, segundo ele. Por causa disso, os bandidos do Rio estão se refugiando em outros Estados.?Não é mais lucrativo ficar aqui. Vemos prisões sucessivas de criminosos do Rio no Paraguai, Bolívia, Paraná, Rio Grande do Sul, Pernambuco, na Bahia e em Minas Gerais. Só na semana passada, foram 40. Como eles dizem, a chapa tá quente.?O secretário citou o dirigível Pax Rio como uma das inovações do governo Benedita que deveriam ser mantidas. E afirmou que ouviu de um aliado de Rosinha que o recurso não deveria ser mantido no governo do PSB porque remeteria à administração petista. ?Ele virou para mim e disse: ?pode ser muito bom, mas vai ser Benedita no céu o tempo todo??, disse Aguiar, classificando a atitude de ?mesquinha?.?Segurança não é política de governo, é política de Estado. Vamos parar com essa coisa de mudar o governo e destruir o que foi feito.? Aguiar disse que há muitas iniciativas bem-sucedidas do PT na área de segurança, como a criação da Corregedoria-Geral Unificada, que reúne as corregedorias das Polícias Civil e Militar e é ligada diretamente ao gabinete da governadora, a integração das polícias e o programa de retreinamento dos PMs e agentes.Também participou do seminário o sociólogo Luiz Eduardo Soares, ex-coordenador de segurança do Estado e um dos quatro responsáveis pelo Plano Nacional de Segurança Pública ? além dele e de Roberto Aguiar, participaram da elaboração do plano o deputado Antônio Carlos Biscaia e o secretario Municipal de Segurança Urbana de São Paulo, Benedito Mariano.Soares lembrou que alguns dos itens do programa de Lula já estão sendo experimentados no Rio desde 1999 (o PT fazia parte do governo Anthony Garotinho (PSB) até o rompimento, em 2000). O projeto Delegacia Legal, as Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisps), o investimento em tecnologia na área de perícia e a defesa dos direitos da mulher foram citados pelo sociólogo como medidas que deram certo no Rio.

Agencia Estado,

25 de novembro de 2002 | 17h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.