População sofre com ar seco e poluição em São Paulo

Das 26 estações da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) instaladas na capital, Grande São Paulo e no interior do Estado, 24 detectaram ar com qualidade regular na manhã desta quarta-feira, 26. Apenas duas, a de Paulínia, sem dados atualizados, e a da Mooca, que apresenta qualidade boa, ficaram de fora. Com temperaturas em torno dos 30 graus e os índices de umidade registrados nesta semana, entre 20 e 30%, quando o normal seria 60% de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ar seco é agravado pela poluição atmosférica, emitida por veículos e indústrias, comum em grandes metrópoles como São Paulo.Uma exposição constante à poluição, de acordo com médicos, pode provocar doenças respiratórias graves, problemas de pele e alergias, além de doenças cardiovasculares. Durante o inverno, estação na qual o clima geralmente é mais seco pela falta de chuvas, os poluentes encontram dificuldade para se dispersarem e os problemas respiratórios, que atingem principalmente as crianças, ampliam em 30% o número de atendimentos nos hospitais de São Paulo, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. Para amenizar a situação, uma dica é umedecer o ar da casa, deixando vasilhas, toalhas ou roupas úmidas em alguns cômodos. Tapetes, ursos de pelúcia e cortinas devem ficar em local arejado para evitar o acúmulo de poeira e o ar condicionado deve ser evitado pois resseca ainda mais o ar.Mas, a situação deve melhorar no fim da semana. Já na noite de sexta-feira, pode chover na capital e no sábado, as temperaturas vão diminuir em todo o Estado de São Paulo com a entrada de uma forte frente fria que trará bastante nebulosidade, de acordo com previsão da Climatempo. Enquanto a chuva não vem, a previsão é de tardes com muito sol na capital, com temperaturas variando entre 13 e 30 graus, embora mais nuvens já comecem a se formar a partir desta quarta. Ônibus poluidoresOs ônibus estão entre os veículos que mais contribuem para a poluição do ar que os paulistanos respiram. Uma inspeção realizada pela São Paulo Transporte (SPtrans), em parceria com a Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, mostrou que cerca de 15% dos veículos de transporte público liberam quantidade de poluentes maior do que a permitida. De janeiro até o último dia 9, foram avaliados 5.785 ônibus: 845 foram reprovados.Para avaliação dos meios de transporte é utilizado um aparelho chamado opacímetro. O limite estabelecido de poluição para os ônibus e microônibus é de 1,6 grama em cada quilômetro rodado. Segundo a SPtrans, quando os veículos emitem até 2,99 gramas de poluição por quilômetro, as empresas são notificadas e têm prazo de cinco dias para regularizar a situação. Acima desse índice, os veículos são lacrados e impedidos de circular.Inspeção da emissão de gases nos veículosMotoristas que passarem nesta quarta pelo Shopping Center Norte, na zona norte de São Paulo, poderão conferir gratuitamente como está a emissão de gases dos seus automóveis. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) montou um estante no local onde os técnicos avaliam o sistema de exaustão - escapamentos e coxins - e de injeção eletrônica dos veículos. O principal objetivo da inspeção é conscientizar os motoristas sobre a importância da manutenção adequada de seus veículos. Durante a inspeção dos carros, os motoristas também são instruídos sobre a importância do catalisador e da manutenção adequada dos equipamentos antipoluição dos veículos.(Colaboraram Paulo R.Zulino, Fernanda Aranda e Bruno Tavares)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.