Por apoio à ministra, Lula privilegia PMDB

Por apoio à ministra, Lula privilegia PMDB

Substituição no Ministério da Agricultura teve objetivo de rachar partido em SP, onde Quércia tem aliança com Serra

, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

Ao escolher os sucessores dos dez ministros que saíram para disputar as eleições, o presidente Lula levou em conta a necessidade de assegurar apoio do PMDB à petista Dilma Rousseff.

Lula optou, por exemplo, por substituir Reinhold Stephanes, da Agricultura, pelo ex-deputado do PMDB paulista Wagner Rossi. Com ele, o presidente enfia uma cunha na trincheira do ex-governador Orestes Quércia, aliado do tucano José Serra. Depois de ouvir o presidente da Câmara e do PMDB, Michel Temer (SP), Lula acredita que, com Rossi, racha a legenda em São Paulo.

O substituto de Hélio Costa no Ministério das Comunicações também seguiu os mesmos passos. O PMDB ouviu Costa e apostou em José Artur Filardi Leite, que era o chefe de gabinete do agora senador, candidato ao governo de Minas Gerais com o apoio de Lula.

Filardi e Costa são amigos. Ao assumir o ministério, Costa transferiu para Patrícia Leite, mulher de Filardis, o comando da Rádio Sucesso FM de Barbacena, líder em audiência do município de pouco mais de 125 mil habitantes. Em relação aos outros sete ministros, Lula optou por escolher os secretários executivos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.