Por ''cota'', eleita quer mulher no Esporte

Do PC do B como Orlando Silva, Luciana Santos deve ser anunciada hoje; Lupi, Haddad e Izabella Teixeira vão continuar na era Dilma

Christiane Samarco e Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2010 | 00h00

A presidente eleita Dilma Rousseff deve anunciar hoje o nome da ex-prefeita de Olinda e deputada federal Luciana Santos (PC do B) para o Ministério do Esporte. Definida a cota desse partido, a prioridade é fechar um acordo com o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Como o deputado Ciro Gomes voltou à cena pedindo um dos dois ministérios reservados para o partido, o PSB quer mais uma pasta para apaziguar a bancada na Câmara.

Ontem, Dilma anunciou mais três ministros. Decidiu manter Carlos Lupi (PDT) no Ministério do Trabalho e Izabella Teixeira - como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pedira - à frente do Meio Ambiente. Outro que foi confirmado no posto é Fernando Haddad, que seguirá na Educação. Agora, são 23 nomes anunciados, em um total de 37 ministérios.

Em conversa com a presidente eleita na Granja do Torto ontem, a cúpula do PC do B reivindicou a manutenção de Orlando Silva no Esporte, mas Dilma não atendeu, alegando que a pasta ajudaria a compor a cota de mulheres no ministério.

Experiência. Um dirigente comunista que acompanha as negociações adianta que, no momento em que Dilma comunicar oficialmente a escolha de Luciana, o partido fará a ponderação de que a experiência de Orlando Silva - que está no Esporte há oito anos, como secretário executivo e ministro - deve ser aproveitada. Afinal, a pasta terá de organizar os cinco maiores eventos esportivos do planeta até 2016.

Setores do partido estão preocupados com o desempenho da legenda. Dizem que "caíram no colo do PC do B" a organização da Olimpíada e dos Jogos Paraolímpicos, de grande complexidade. Há ainda a Copa América e a das Confederações, que precedem a Copa do Mundo de Futebol de 2014.

A reivindicação de mais um ministério para os socialistas foi levada ao futuro ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, na quinta-feira. Participaram da conversa Eduardo Campos, o governador do Ceará, Cid Gomes, além do vice-presidente do partido, Roberto Amaral. Os socialistas argumentaram que era preciso contemplar a bancada que dá os votos ao governo na Câmara. A ideia é indicar um deputado para a terceira pasta. O mais cotado é o vice-líder governista Beto Albuquerque (RS), mas Márcio França (SP) ainda está no páreo.

Manuela. Na conversa com Dilma, os dirigentes do PC do B deixaram claro que consideram a deputada Manuela D"Ávila (RS) um quadro de expressão nacional, mas não uma opção para o ministério no momento. Argumentaram que o comando da pasta do Esporte diante da agenda mundial é tarefa que pressupõe continuidade e, dentro de um ano e meio, Manuela deve deixar a Câmara para se candidatar à Prefeitura de Porto Alegre.

Reeleita com 500 mil votos, a deputada é o nome mais forte do chamado campo da esquerda para disputar o comando da capital gaúcha. O PC do B não quer perder a oportunidade de lançá-la porque avalia que o PT não tem nenhum nome forte para fazer frente a ela, que poderá ser lançada como opção de consenso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.