Pornografia infantil na internet quadruplicou, diz ONU

Especialista aponta que 750 mil acessam esse tipo de conteúdo simultaneamente em todo o mundo

Agência Estado e Associated Press,

16 de setembro de 2009 | 14h56

O número de sites da internet que contêm pornografia infantil está aumentando, e mais imagens mostram abusos, afirmou nesta quarta-feira, 16, uma especialista das Nações Unidas. Segundo a investigadora da ONU sobre venda de crianças prostituição infantil e pornografia infantil, Najat M'jid Maalla, mais de 4 milhões de sites pelo mundo contêm imagens de crianças sendo abusadas sexualmente. "O número de imagens que mostram exploração séria quadruplicou entre 2003 e 2007", apontou ela, sem oferecer números exatos.

 

Veja também:

linkVotação sobre castração química é adiada no Senado

linkHomem de 61 anos é acusado de engravidar menina em Santos

especialSaiba como proteger as crianças dos perigos na web

 

Aproximadamente 750 mil pessoas estão em sites de pornografia infantil a qualquer momento do dia. Ao falar ao Conselho de Direitos Humanos em Genebra, a especialista observou que as salas de bate-papo tornaram-se o principal meio usado por aliciadores para recrutar crianças. "Há um aumento no número de sites registrados", disse Najat, em depoimento ao conselho que reúne 47 nações.

 

A especialista se baseou em dados de uma pesquisa do grupo britânico Internet Watch Foundation. Um estudo do National Center on Missing and Exploited Children, dos Estados Unidos, concluiu que 83% das pessoas com pornografia infantil possuíam imagens de crianças entre 6 e 12 anos, 39% tinham fotos de meninos entre 3 e 5 anos, e 19% tinham imagens de menores de 3 anos.

 

A representante da ONU pediu cooperação internacional para combater a indústria da pornografia infantil. Segundo ela, essa indústria movimenta entre US$ 3 bilhões e US$ 20 bilhões anualmente. Najat recomendou aos países que compartilhem informação sobre sites com pornografia infantil, para conseguir bloqueá-los mais rapidamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.