Portabilidade complicada

Desde o início de março tento a tão popular "portabilidade" de minha linha da Telefônica para a NET, adotando o plano Combo, que conta com internet, TV a cabo e telefone. De quase R$ 150 eu passaria a pagar R$ 89. Mas não avisam que a portabilidade é um processo burocrático. Começou com a vendedora anotando errado o meu número de telefone, o que fez com que o pedido de transferência fosse negado pela Anatel, pois o CPF não batia. Após resolver com a NET o problema do cadastro errado, tive o problema com a instalação. Nas cinco vezes marcadas, o técnico não apareceu. O que tento entender é se realmente uma empresa do porte da NET sabe o que se passa com seus clientes, pois percebi que não só os atendentes são contratados fora do Estado, como para cada reclamação há um setor diferente que não se comunica com os outros. O setor que vende o serviço não fala com o que instala nem com o responsável pela portabilidade, que não fala com o que verifica a satisfação do cliente, ou seja, deixa o consumidor no meio de uma burocracia inexplicável. Pela dificuldade parece que eu estou pedindo dinheiro e não oferecendo o meu dinheiro para eles. Ainda esperançoso apesar de tudo, aguardo retorno.BRUNO STORTSão PauloFernanda Piccablotto, da Gestão de Clientes da NET São Paulo, informa que, durante contato mantido com a sra. Alice, esposa do cliente, no dia 7 de maio, a empresa prestou os esclarecimentos referentes aos procedimentos e confirmou a portabilidade. Na oportunidade, agendou novo contato telefônico. A empresa coloca-se à disposição para esclarecer qualquer dúvida. No site é mais baratoQuestionei na central de atendimento da SKY a diferença entre o valor do plano que eu assino e o anunciado no site da empresa - muito mais baixo do que minha mensalidade. Fui informado por um atendente de que meu plano foi reajustado por eu ser assinante há um ano. Não entendo como a SKY quer fidelizar seus clientes. Segundo a funcionária, seria mais barato eu cancelar o plano e pedir uma nova assinatura. Pensando como cliente e como empresa acho esse procedimento um absurdo pelo trabalho e pelo custo que essa operação demandaria. DANIEL FAZENDA FREIRESão PauloO vice-presidente de clientes da SKY, Vito Chiarella, esclarece que um dos objetivos da empresa é atender todos os clientes o mais prontamente possível. Um funcionário da SKY entrou em contato com o sr. Freire e informou que, além do Combo Filmes Plus 2009, ele possui os canais BandNews e BandSports, e o valor anunciado no site não contempla esses pacotes opcionais. A empresa informa que o cliente optou por cancelar os canais BandNews e BandSports e o crédito referente ao cancelamento poderá ser visualizado na próxima fatura. Cidade abandonadaAo ler a reportagem sobre os chafarizes (Chafarizes de SP estão secos e sujos, 7/5, C10), fiquei impressionado com o conformismo das nossas autoridades. Conformismo conveniente, diga-se de passagem. Antes de declarar que "é praticamente impossível manter os chafarizes funcionando", o secretário das subprefeituras, Andrea Matarazzo, deveria fazer uma visita a Santiago do Chile e se sentar perto de alguma das várias fontes da cidade. Poderia então observar a chegada de uma viatura com um empregado da prefeitura munido de baldes, vassouras e rede para retirada de detritos. Veria que esse único funcionário faz rapidamente a limpeza do local. Santiago, assim como Buenos Aires e outras metrópoles, também possuem moradores de rua, mas suas administrações não usam esse fato como desculpa para deixar suas cidades sujas e malcheirosas. Um pouco de criatividade seria ótimo - que tal usar plástico no lugar de bronze e cobre nos bicos d?água? Por que não esconder melhor as bombas? Os equipamentos inativos são mais fáceis de ser furtados, portanto, deixem as fontes funcionando permanentemente!NESTOR RODRIGUES PEREIRA FILHOSão PauloDiscutindo o trânsitoA proposta da Linha 5-Lilás do Metrô noticiada no Estado no dia 8 é, no mínimo, incompleta (Linha 5 desapropriará 360 imóveis, C10). Por que não se prevê a passagem pelo Aeroporto de Congonhas? Seria uma excelente alternativa para desafogar o trânsito na região. Por que o Metrô não faz consultas públicas, discutindo desde o trajeto das linhas até as desapropriações? A discussão de políticas públicas de transporte com os usuários, identificando os mais e os menos beneficiados, resultaria em ações mais sensatas e muito mais proveitosas à população. SERGIO MIRANDASão Paulo As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.