Porto de Paranaguá recebe cargas de Itajaí e ajuda portuários

Ordem de serviço foi assinada nesta terça para tentar ajudar terminal inativo por conta das enchentes em SC

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2008 | 16h05

A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) lançou nesta terça-feira, 2, o programa Porto Solidário, que visa atender armadores que movimentavam contêineres no Porto de Itajaí (SC), ao mesmo tempo em que destinará parte da renda dessa operação para os portuários avulsos catarinenses. O porto de Santa Catarina está inativo em razão das enchentes. Para implementar o programa, os técnicos portuários alteraram a logística, destinando mais dois berços públicos de atracação para os contêineres. Normalmente, o porto opera apenas com dois berços no Terminal de Contêineres de Paranaguá.   Veja também: Saiba como ajudar as vítimas da chuva IML divulga lista de vítimas identificadas Repórteres relatam deslizamento em Ilhota  Mulher fala da perda de parentes em SC Tragédia em Santa Catarina  Blog: envie seu relato sobre as chuvas  Veja galeria de fotos dos estragos em SC   Tudo sobre as vítimas das chuvas     De acordo com o superintendente da Appa, Daniel Lúcio Oliveira de Souza, a estimativa é que em torno de 10 mil a 12 mil contêineres sejam deslocados mensalmente de Itajaí para Paranaguá, o que representa um acréscimo entre 15% e 20% no movimento normal. A perspectiva é que esse fluxo continue por cerca de seis meses, visto que haverá necessidade de uma recuperação do Porto de Itajaí. "Não vamos utilizar esta situação para uma estúpida competição", afirmou o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB). "Vamos utilizá-la no caminho da solidariedade."   Os dois berços que recebem a safra agrícola e os fertilizantes passam a servir também aos contêineres. Por meio de uma ordem de serviço assinada nesta terça, os navios que optarem por utilizar esses berços terão preferência de atracação. Para eles, o Porto de Paranaguá aplicará um redutor tarifário inicial de 15% sobre as taxas portuárias públicas. Esse desconto será investido em ajuda para os cerca de 790 trabalhadores avulsos portuários de Itajaí, que ficam sem serviço enquanto o porto não entrar em operação. As empresas de navegação, agentes e operadores portuários deverão contribuir com o mesmo valor do desconto. Em seis meses, estima-se que sejam arrecadados cerca de R$ 1,2 milhão.   As empresas que aderirem ao programa terão, ainda, espaços na área portuária primária pública para o depósito. Nesta terça já havia 300 contêineres ocupando essa área. "O programa é compulsório para as empresas que quiserem atracar nesses dois berços, mas se não quiser aderir poderá esperar na fila", disse Souza. Atualmente, a espera é de cerca de seis horas. Os valores do desconto e da contrapartida das empresas serão administrados pelo sindicato portuário de Paranaguá, que comprarão e entregarão semanalmente cestas básicas e utilidades domésticas ao sindicato dos portuários catarinenses.   Na mesma ordem de serviço, foi determinado que os técnicos e profissionais da Appa fiquem à disposição do Estado de Santa Catarina para, se necessário, atuar nos portos catarinenses. Segundo o superintendente da Appa, a diretoria técnica também começa a fazer estudos para buscar soluções logísticas visando à entrada da safra agrícola em março do próximo ano. Antes mesmo da ordem de serviço emitida ontem, o porto paranaense já tinha atendido, no fim de semana, dois navios que atracaram nos novos berços e movimentaram 800 contêineres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.