Porto de Santos será mais turístico

Projeto prevê armazéns para abrigar de restaurantes a terminal para cruzeiros; conclusão está prevista para 2014

Rejane Lima, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

29 de maio de 2009 | 00h00

Quinze meses depois da assinatura do convênio para revitalização dos antigos terminais 1 ao 8 do Porto de Santos, no centro histórico, a prefeitura e a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) apresentaram ontem o projeto de um centro náutico, cultural, turístico e empresarial na área, cuja obra deverá começar em 2011 e ser concluída em 2014.Batizado de Porto Valongo Santos, o projeto foi inspirado nos grandes complexos portuários do mundo, como Los Angeles e Barcelona, onde áreas integrando a cidade ao porto se tornaram pontos de lazer e turismo. A ideia é que todas as licitações dos arrendamentos sejam realizadas pela Codesp com a participação da prefeitura."Tudo que terá exploração econômica lá dentro é investimento privado", explica o prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa (PMDB), afirmando que é impossível estimar o investimento total no complexo, de aproximadamente 150 mil metros quadrados. "Nós vamos investir agora R$ 800 mil no estudo de viabilidade econômica", disse o prefeito, explicando que a verba foi conseguida por meio de financiamento com o Banco Mundial.Os investimentos da Codesp consistem principalmente na adequação do acesso ao complexo, inserido no trecho 1 da Avenida Perimetral da margem direita do porto, cuja construção é contemplada por verba do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Com pouco mais de 2 quilômetros, o custo estimado desse trecho da avenida é de R$ 60 milhões. A obra mais cara, no entanto, é a construção de um mergulhão (passagem subterrânea), com custo estimado de R$ 300 milhões. O objetivo da passagem, cuja execução foi exigência do Ibama para liberar o projeto, é direcionar os caminhões aos terminais portuários sem causar grande impacto à área urbana e ao complexo turístico. As próximas etapas para a implementação do projeto consistem na contratação dos estudos de viabilidade, na aprovação do traçado do trecho 1 da Perimetral e na licitação das obras, além da execução de audiências públicas. "É um pouco precipitado falar em prazo de conclusão de obras, mas acredito que dá para realizar tudo em três anos, a partir do início das intervenções, em 2011", explicou o prefeito. Segundo ele, o projeto do Governo do Estado que possibilita a utilização de recursos retidos do ICMS para áreas históricas, o Prourb, também ajudará na captação de verba. "O investidor pode procurar parcerias com exportadores que tenham ICMS retido para colocar em investimentos aqui", completou.ARMAZÉNSDe acordo com o projeto, os armazéns 1 e 2 terão praça de alimentação e espaço para exposições artísticas. O armazém 3 abrigará escritórios de design e turismo e um museu marítimo. O espaço entre os galpões 3 e 4 servirá para a instalação de serviços de informação e de apoio turístico. O armazém 4 ficará com a escola náutica.O galpão 5, por sua vez, terá estações para transporte aquaviário de passageiros e decks. No 6 ficará o terminal portuário para cruzeiros; no 7, será instalado o Instituto de Ciências do Mar e, no 8, uma unidade de apoio técnico para pequenas embarcações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.