Portuguesa é eleita miss presidiária

A portuguesa Elizabete Sardinha mede 1,62 metro, pesa 57 quilos e tem 30 anos. Está longe dos padrões exigidos pela moda, mas nesta sexta-feira realizou o sonho de desfilar na passarela. Ela ganhou o concurso de beleza do presídio de mulheres Talavera Bruce (TB), na zona oeste, onde cumpre pena de quatro anos por tráfico de drogas. Elizabete, que nasceu em Coimbra e fazia um curso de esteticista em Portugal, concorreu com outras 16 companheiras presidiárias. Pioneiro, o concurso que elegeu a Garota TB movimentou o presídio, onde estão 310 presas, 28 delas estrangeiras. As candidatas desfilaram para o júri, formado pela socialite Vera Loyola, defensores públicos, jornalistas e funcionários da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Depois de duas horas de apresentação, saiu o resultado que coroou as três primeiras colocadas. Atrás de Elizabete ficaram as brasileiras Kátia Salete (2º lugar) e Bárbara Freitas (3ª colocada). Como prêmio, a portuguesa ganhou uma calça jeans, um ventilador e um kit com produtos de beleza.FashionO desfile teve moda casual, de praia e de gala. Muitas peças foram doadas por empresários. Já os sapatos de salto alto, bijuterias e vestidos de noite - com brilhos, transparências, e decotes - que tornaram princesas por um dia as criminosas do Talavera Bruce, foram emprestados por uma advogada que não quis se identificar e foram devolvidos em seguida.A idéia do concurso foi de quatro detentas, que já haviam fundado um jornal na cadeia. O objetivo é aumentar a confiança das presas e vencer o ócio. "No presídio, a auto-estima é muito baixa. Com o desfile, vamos nos sentir melhor", disse a alemã Sabrina Hagel, de 25 anos, uma das organizadoras e também presa por tráfico internacional de drogas.DJO desfile atraiu até a imprensa estrangeira e teve trilha sonora a cargo de um DJ. Além de brasileiras e da portuguesa Elizabete, havia concorrentes bolivianas e angolanas. Sem se preocupar com a celulite e as gordurinhas localizadas, as modelos posavam para os fotógrafos e cinegrafistas, que disputavam o melhor ângulo para trabalhar.Vencedora nos quesitos charme, elegância, beleza, porte e simpatia, Elizabete contou que ficou surpresa, principalmente com o assédio dos jornalistas. "Achei que esse fosse um concurso só do portão para dentro. Não esperava ganhar e achei muito bom. Todas somos vencedoras", disse ele,a que deve deixar a cadeia em dez meses. Elizabete foi presa quando tentava embarcar para a Espanha com 600 gramas de cocaína. "Aprendi muito aqui dentro, mas é difícil. Minha mãe acha que eu tomo água mineral, mas é da bica mesmo."A fraudadora do INSS Georgina de Freitas, que também cumpre pena no Talavera Bruce, disse que participou do desfile apenas nos bastidores. "Ajudei na maquiagem das meninas e a escrever os textos de apresentação. Não ia desfilar com 54 anos", disse ela com seu conjunto rendado, brincos de pérolas e salto alto e muito assediada pelos fotógrafos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.