Portugueses foram enterrados vivos

Todos os seis portugueses assassinados em Fortaleza foram cruelmente torturados e enterrados vivos. Quem informa é o diretor técnico do Instituto Médico Legal (IML) do Ceará, o legista Francisco Simão. Depois de enterradas, calcula Simão, as vítimas teriam levado de três a cinco minutos até morrerem. A conclusão é baseada no resultado do trabalho de necropsia nos seis corpos, concluído ontem à noite. Fotografias dos corpos, tiradas pelos peritos do IML, comprovam materialmente a informação. "Três deles estavam manietados (com as mãos atadas) com panos. Um dos quais estava manietado solto. O que mostra a tensão vivida antes da morte". Simão trabalha com a possibilidade de que todos os empresários tenham sido executados na madrugada do último domingo, horas depois do desembarque em Fortaleza. "Todos eles tinham lesões e todos eles sofreram um processo de asfixia mecânica pela presença volumosa de areia na traquéia e brônquios pulmonares. Isso só é possível quando se está ainda respirando. Se você não tivesse movimentos respiratórios, a areia chegaria no máximo até o nariz", defende o legista."Desta forma, uma fração de segundos, dependendo da gravidade de cada um deles, passa a ser uma eternidade", comenta Simão. O legista descreveu um dos assassinatos. Segundo ele, um dos matadores atirou em uma das vítimas, mas errou o alvo. Em seguida, o assassino aplicou uma "gravata" (tentativa de estrangulamento) ou algo que o asfixiou momentaneamente. ?A vítima desmaiou, mas não morreu e foi enterrada viva, com todas as condições de sobreviver, porque as lesões eram pequenas. Para esta pessoa, temos um diagnóstico por asfixia mecânica pura."Simão diz que está esperando informações de Portugal para poder concluir o exame de identificação dos cadáveres. A liberação deverá ser feita no prazo de sete a dez dias. Esta manhã foi realizado um ato ecumênico em frente à boate Vela Latina, que fica localizada em um dos principais pontos turísticos da capital cearense, a Praia do Futuro. O ato foi promovido pela Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV). Hoje, às 17 horas, no jogo entre Fortaleza e CRB (válido pela Série B do Campeonato Brasileiro), será prestado um minuto de silêncio em homenagem aos empresários portugueses. O time do Fortaleza entrará em campo com uma tarja preta na camisa, simbolizando o luto da cidade pela tragédia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.