Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Possibilidade de aliciamento de venezuelanos por facções preocupa, diz Jungmann

Ministro da Segurança Pública foi a Pacaraima nesta quinta e admitiu dificuldades na interiorização dos venezuelanos

O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2018 | 20h47

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta quinta-feira, 23, em visita a Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, que a possibilidade de aliciamento de migrantes pelas grandes facções criminosas é uma preocupação do governo federal. 

"Infelizmente, esse processo de aliciamento das grandes facções não acontece só aqui em Roraima, mas, evidentemente, estamos preocupados com isso, daí o reforço que estamos fazendo no caso da Polícia Federal e também da Força Nacional. É a resposta que damos a essa situação", disse.

Segundo Jungmann, mais 60 homens da Força Nacional estão a caminho do Estado. Houve a solicitação do governo do Estado de Roraima para que a Força Nacional realizasse o policiamento ostensivo em Pacaraima. "Não tínhamos recebido até então nenhuma solicitação de patrulhamento ostensivo."

Desafios para a interiorização

Para o ministro, é preciso acelerar a interiorização dos migrantes, com a transferência para outros Estados. "Precisamos melhorar, dar mais agilidade e cooperação. A interiorização implica na mobilização dos Estados. A tarefa de ordenamento e abrigamento está sendo feita", disse Jungmann. 

"O governo federal não tem como impor para um Estado que ele assuma um determinado grupo de migrantes. É uma negociação. Muitas vezes falta trabalho, onde colocar, onde ter a possibilidade de acolhida. Não é simplesmente despejar as pessoas daqui em São Paulo, Rio, Recife ou Belo Horizonte. Elas têm de ter algum tipo de colocação porque, se não, vamos deslocar um problema daqui a outro lugar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.