Posto policial é atacado a bomba no Rio

Um posto da Polícia Militar em Tanguá, na Baixada Fluminense, foi atacado na madrugada deste domingo por traficantes. Duas bombas foram lançadas contra o Destacamento de Polícia Ostensiva (DPO) do bairro de Riachão - somente uma explodiu, sem deixar feridos. Uma metralhadora e três pistolas foram roubadas.Havia somente um policial de plantão no momento do ataque. O cabo Altamir, lotado no 35.º Batalhão (Itaboraí), contou que por volta das 3 horas foi chamado por uma mulher, que se dizia grávida, e pedia socorro para não perder o bebê. Ele disse ter desconfiado da história e, antes de abrir a porta, foi observar a janela da copa do posto. Nesse momento, ele viu dois homens, gesticulando para que a mulher deixasse a frente do DPO.Teve início uma troca de tiros. E os criminosos lançaram as duas bombas de fabricação caseira. As janelas foram quebradas e a entrada do posto ficou danificado. O carro da polícia também ficou crivado de balas. Depois que as bombas foram lançadas, Altamir fugiu para a mata e só voltou uma hora depois. O Esquadrão Antibombas foi chamado para desativar o artefato que não explodiu.O cabo explicou que estava sozinho no plantão porque seu companheiro de turno está cobrindo férias de um colega, responsável pela ronda no bairro.O ataque ocorreu numa área rural, conhecida por ser um local tranqüilo. Não há casas próximas ao DPO, e por isso não houve testemunhas do ataque. "Isso vai dificultar nosso trabalho porque, por enquanto, só temos o depoimento do policial. Mas vamos ouvir todos os que sabiam que somente um PM estaria de plantão naquela noite", disse o delegado da 71.ª DP (Itaboraí), Gláucio Paez.Ele acredita que os criminosos já sabiam que o plantão estaria desfalcado e que não encontrariam resistência para o ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.