AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Pouca adesão à greve de servidores em Campinas

A greve dos funcionários públicos de Campinas teve adesão de 16% em seu primeiro dia, esta segunda-feira, segundo divulgou a assessoria de imprensa da prefeitura. O Sindicato dos Servidores, porém, contabilizou adesão de 35% dos 15 mil trabalhadores municipais.Segundo o sindicato e a prefeitura, nenhum setor ficou comprometido. Os hospitais municipais Mário Gatti, Ouro Verde e postos de saúde mantiveram o atendimento. O coordenador do Sindicato, Fábio Custódio, disse que, no primeiro dia, foram paralisadas apenas atividades de suporte, como lavanderia e manutenção.De acordo com ele, algumas escolas dispensaram alunos por causa da greve. Mas o coordenador comentou que o balanço do dia ainda não estava concluído no final da tarde desta segunda-feira. A prefeitura apresentou uma nova proposta aos servidores em uma reunião no meio da tarde desta segunda.Ofereceu 12% de reajuste neste mês, e outros 4,26% para janeiro de 2003, mais aumento do auxílio-alimentação de R$ 150 para R$ 200 e manutenção dos R$ 70 mensais até o fim do governo para quem ganha menos de R$ 1,6 mil. O aumento de 16,26%, média de cinco indicadores de inflação de 2000 e 2001, foi prometido no ano passado pelo prefeito Antonio da Costa Santos, morto em setembro.A prefeitura quer dividir o pagamento em duas etapas. Mas o sindicato insiste no reajuste em parcela única, além do aumento do auxílio-alimentação e da manutenção dos R$ 70. Depois da reunião, os servidores se reuniram em setores para discutir a nova proposta e, em seguida, estava planejada uma assembléia.A decisão da categoria sobre aceitar ou não a nova proposta da prefeitura deve ser divulgada nesta segunda à noite. Mas Custódio adiantou que eram grandes as chances de a greve continuar nesta terça-feira, porque os funcionários não querem abrir mão do aumento em parcela única.A prefeitura alega que o piso do servidor de Campinas, somado aos benefícios, é de R$ 900, um dos mais altos do País. Argumenta, ainda, que nenhuma prefeitura ou empresa privada concedeu reajuste de 16% aos seus funcionários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.