Poucos militantes, apenas petistas, vão ao SBT para debate

O debate no SBT contou com a presença de uma pequena e tímida militância do PT na porta da emissora. O frio, a distância (a sede do SBT fica na via Anhangüera) e a falta de estrutura atraiu apenas 21 cabos eleitorais do presidente Lula e nenhum de Geraldo Alckmin. O baixo quórum surpreendeu até mesmo a Polícia Militar, que mobilizou 85 homens para o evento. "A idéia é fazer tudo para evitar o conflito, então estávamos preparados. Graças a deus correu tudo bem", discorreu o capitão Isaías Vieira, que comandou a segurança externa do debate.Uma kombi serviu de carro de som e meio de transporte para nove militantes, que foram de Perdizes para a emissora. À exceção da funcionária pública municipal Malzina Joana de Lima, que foi de ônibus para ver seu candidato passar com a comitiva para o programa no SBT, os outros militantes seguiram de carro para a Anhangüera. Malzina ainda perdeu o ponto que ficava em frente à emissora e teve de percorrer um trecho caminhando na beira da estrada. "Morri de medo, os caminhões ficavam buzinando, tudo escuro. Mas não perderia isso por nada", disse Malzina, que saiu do Bom Retiro e levou pouco mais de uma hora para chegar.O advogado Luis Carlos Laurindo, de 51 anos, reclamou da falta de um telão para ver o debate. Logo que Lula passou com a comitiva presidencial, deixou o local. "O SBT falhou por não preparar um espaço pra gente. Vou procurar algum lugar para acompanhar o debate ou mesmo voltar para casa", lamentou.Laurindo ainda ironizou a postura dos policiais, que formaram um cordão isolando os militantes da passagem dos carros. "Falei pra eles que não precisavam ficar olhando pra nossa cara, que com um ou dois cones resolveriam o problema." Depois o capitão Isaías explicou a medida. "Ali eles corriam risco (de serem atropelados). Orientei isso para a segurança deles mesmos."Ana Paula Peres, de 38 anos, foi para a porta da emissora com o marido e suas duas filhas. Animada e empunhando uma grande bandeira do PT, dava como certa a vitória de seu candidato. "No dia 29 estarei na Paulista para comemorar. Ele não vai perder, tenho certeza", repetia. Questionada sobre o primeiro turno, admitiu que foi pega de surpresa com os resultados. "Fiquei muito chateada, achei que seria mesmo no primeiro turno."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.