Marcelo Faria
Marcelo Faria

'Pousada foi embora e minha casa também', diz moradora de Brumadinho

Pelo menos sete pessoas morreram e há 150 desaparecidos, segundo o Corpo de Bombeiros

Marcelo Faria e Luan Santos, Especial para O Estado

26 de janeiro de 2019 | 01h09

BRUMADINHO - Moradores de Brumadinho, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, contabilizavam nesta sexta-feira, 25, os estragos causados pelo rompimento de uma barragem da Vale e procuravam parentes e amigos desaparecidos após o desastre. Pelo menos sete pessoas morreram e há 150 desaparecidos, segundo o Corpo de Bombeiros. 

“Quando deu a hora de almoçar, saí do trabalho e fui esquentar almoço para mim e para minha filha. Ouvi um barulho, igual ao de um helicóptero e sai para o terreiro para ver o que era. Quando olhei para a barragem, ela estava estalando e gritei: 'Ana Clara, traz o telefone e corre'", conta Maria Aparecida, moradora de Córrego do Feijão. 

Ela conta que viu a casa ser levada pela lama. “Catei o braço dela (da filha) e subi morro acima. Quando olhei para trás, vi aquela devastação. A pousada em cima foi embora e a minha casa também”.

Segundo o tenente Pedro Aihara, do Corpo de Bombeiros, uma pousada com 38 pessoas - entre hóspedes e funcionários - desapareceu sob a lama. “A área da pousada, que costumava receber muitos hóspedes, incluindo famosos, foi varrida pela força dos rejeitos.” 

O empresário Márcio Mascarenhas, dono do local e fundador da escola de inglês Number One, foi identificado entre as vítimas. A empresa anunciou luto em sua página na internet, confirmando a morte de Mascarenhas, sua esposa e seu filho.

O produtor rural Milton Geraldo Rodrigues viu os efeitos do rompimento da barragem. “Estava trabalhando na roça e, quando cheguei em casa, já tinha acontecido a tragédia. Minha casa não foi atingida, mas falaram que a gente não podia ficar lá. Dizem que está minando água e que é perigoso.”

Desaparecidos

Moradores buscavam parentes desaparecidos durante todo o dia e à noite. “Meu cunhado estava lá. Ele era técnico de segurança. A última visualização dele (no WhatsApp) foi 12h21. Depois disso ligamos para ele e nada”, disse Reginaldo de Almeida, de 33 anos. 

“Estou aqui com a minha prima atrás de informações do marido dela, Warley Lopes Moreira. Ele é engenheiro da Vale, é itinerante, mas hoje estava nessa unidade. A Vale não dá nenhuma informação concreta. É desumano isso aqui, viemos de Belo Horizonte, atrás de alguma informação, um ponto de apoio, mas não temos nada”, disse Gustavo Borges. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.