Pouso forçado em Cuiabá foi por precaução, informa TAM

A TAM esclareceu que o incidente ocorrido na noite de terça-feira, 21, com o Fokker 100 no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, não pode ser classificado como pouso de emergência, mas como "pouso de precaução" ou técnico. Após a decolagem, por volta das 17h30, o avião, que transportava 103 passageiros, com destino a São Paulo, retornou para a pista num pouso de emergência por apresentar problemas técnicos. Em nota, a empresa explicou que tratou-se de uma aterrissagem com conseqüências previsíveis, sem qualquer risco aos passageiros e tripulantes.A Infraero informou que ocorreu um problema no sistema de freios hidráulicos da aeronave. O pouso do vôo 3805 foi feito com o auxílio dos freios de apenas uma das rodas. Após o reparo, o avião voltou a decolar às 20h45 (horário local) e pousou em Campo Grande uma hora depois, onde fez uma escala. De lá, seguiu para o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, onde pousou às 00h30. Testemunhas que estavam no aeroporto disseram ter visto fumaça na turbina esquerda do avião após a decolagem. "Dava para perceber nitidamente que havia fumaça quando o avião partia para a decolagem", disse o advogado Manoel Teixeira, que havia embarcado uma amiga em outro vôo da Gol. Com o susto, alguns passageiros acabaram desistindo de embarcar, segundo informações de funcionários da empresa TAM, enquanto outros foram reacomodados em outros vôos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.