PR vai comandar fiscalização de obras da Copa e da Olimpíada

Frustrados por não emplacar ministro dos Transportes, deputados faltam a almoço com Ideli e agora vão vigiar orçamentos de eventos esportivos

Denise Madueño, Eduardo Bresciani e Edna Simão / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2011 | 00h00

O PR não quer deixar a base aliada do governo Dilma, não quer perder cargos e promete ser fiel nas votações. Mas a bancada na Câmara queria negociar mais a troca do ministro dos Transportes e agora resolveu, como resumiu um parlamentar, "aprontar para barganhar mais".

Foi o que fez ontem, ao faltar ao almoço dos líderes com a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e ao patrocinar a criação de um grupo de trabalho para vigiar o orçamento das obras da Copa e da Olimpíada. Após confusão e bate-boca entre partidos da base e da oposição, o PR emplacou a formação do grupo na Comissão Mista do Orçamento (CMO).

O apoio à proposta do deputado Wellington Roberto (PR-PB) veio uma semana após seu colega de partido, senador Alfredo Nascimento (AM), perder o ministério por denúncias de irregularidades em obras públicas.

Revoltados, parlamentares do PSDB disseram que a manobra vai esvaziar o Comitê de Avaliação, Fiscalização e Controle da Execução Orçamentária, comandado pelo tucano Vaz de Lima (SP). "Já existe uma comissão que acompanha a execução do orçamento. Para mim, não é um grupo de trabalho, mas um grupo de poder", disse o mineiro Domingos Sávio (PSDB).

No almoço semanal - cujo anfitrião foi o líder do PT, Paulo Teixeira (SP) -, não estiveram presentes o líder do PR, Lincoln Portela (MG), nem qualquer outro parlamentar da sigla. Tanto o mineiro quanto o vice-líder do governo Luciano Castro (PR-RR) são assíduos nesses almoços. Ambos alegaram "imprevistos".

Portela, porém, rechaçou qualquer intenção de deixar a base aliada. "A bancada é governo e segue a orientação do governo. Estamos neste projeto há 15 anos, desde quando fazíamos oposição ao governo Fernando Henrique Cardoso", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.