Praia Brava vira opção familiar

Limpa e sinalizada, área ganhou até rapel

, O Estadao de S.Paulo

27 de dezembro de 2008 | 00h00

A boa nova do litoral tem a ver com águas limpas, natureza virgem e muito sossego. Pouco conhecida dos freqüentadores da região, a Praia Brava, em São Sebastião, alcançável apenas por uma discreta trilha de aproximadamente 1,5 quilômetro, acaba de ganhar cinco monitores - de plantão no caminho das 8 horas às 18 horas. Ela foi limpa, sinalizada e tem agora um ponto com estação com rapel e tirolesa. "A Praia Brava é o último dos corredores do litoral norte que integra todos os ecossistemas ", explica Edson Lobato, diretor do Núcleo São Sebastião do Parque Estadual da Serra do Mar. Está inserida nas chamadas Áreas de Proteção Ambiental Marinha (APA) e de Relevante Interesse Ecológico (ARI). E segue por um corredor verde de ligação com o Parque Estadual da Serra do Mar. "Até hoje, a região tinha tido uso inadequado. Agora estamos inserindo a comunidade para que seja uma área de pesquisa e turismo sustentado." Antes era um destino desbravado apenas por surfistas e bichos-grilos. "Como não tinha nenhuma vigilância, as pessoas acampavam aqui e deixavam lixo", explica o surfista Wilton Borges, de 28 anos, que pega onda ali há uma década. Hoje, há famílias, como os Lázaros, que vieram de Rio Claro (SP) passar a semana do Natal em Boiçucanga, uma praia antes da Brava. O maratonista Marco Antônio, de 51 anos, fez a trilha com os dois filhos, Pedro, de 16, e Sara, de 19. "A trilha é muito íngreme, mas o caminho é lindo", diz Sara, quase sem fôlego.Para chegar à Praia Brava ela passou por trechos perfumados de plantações nativas de lírios, begônias e todos os tipos e manacás-da-serra floridos. A reportagem do Estado viu esquilos, pássaros e cobras - incluindo um filhote de jararaca e duas caninanas, espécie agressiva, mas não peçonhenta. "É importante caminhar sempre olhando cinco metros à frente para não pisar numa delas", ensina Iraê Abate, de 27 anos, da Ambiental Litoral Norte, ONG parceira na região. O passeio pode ser feito também na companhia de um guia. Basta ligar no Centro de Informações Turísticas (telefone: 12-3892-2620). Se a idéia for só fazer o rapel, também é necessário agendar (12-9773-5727, com Cláudio Briganti).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.