Praias cariocas ficam lotadas no dia de São Sebastião

O feriado de São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro, foi de sol forte, com termômetros marcando 37 graus, praias cheias e trânsito lento para quem seguiu para a Região dos Lagos. Os salva-vidas do Corpo de Bombeiros tiveram muito trabalho ao longo do dia nas praias da orla carioca. Até as 17 horas, 260 pessoas haviam sido socorridas. No caso mais grave, Eduardo de Oliveira, de 47 anos, teve parada cardiorrespiratória após ser resgatado de helicóptero da Praia do Arpoador. Ele foi reanimado e levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, zona sul.As homenagens a São Sebastião começaram cedo, às 5 horas, com uma queima de fogos na quadra da Portela - o santo é protetor da escola. Na Igreja dos Capuchinhos, na Tijuca, na zona norte, devotos usavam vermelho e levavam rosas para serem abençoadas. São Sebastião é o padroeiro da cidade porque, segundo a crença, o santo apareceu lutando, enquanto Estácio de Sá, fundador do Rio de Janeiro, expulsava os franceses da Baía de Guanabara. Às 15 horas, os fiéis deixaram a Igreja dos Capuchinhos, onde estão os restos mortais de Estácio de Sá, e caminharam em procissão até a Catedral Metropolitana, no Centro. Fábio Motta/AEDevotos usando vermelho fizeram procissão até a Catedral do RioA imagem do santo foi ladeada pelos castiçais roubados em 21 de dezembro da catedral por um falso diácono e recuperados no início do mês pela Polícia Militar. As comemorações ao dia do padroeiro prosseguirão hoje a noite, com shows gratuitos da banda mineira Skank, no Aterro do Flamengo, e do cantor Lulu Santos, na Praia de Copacabana. Os dois eventos deverão reunir 300 mil pessoas - 100 mil no aterro, 200 mil na praia.O show do Skank faz parte do tour da taça da Copa do Mundo, patrocinado pela Coca-Cola, e só foi autorizado após os organizadores assinarem um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público Estadual, comprometendo-se a reduzir a potência das caixas de som à metade, evitar danos à vegetação, e encerrar a apresentação às 22 horas, sob pena de pagar multa de R$ 1 milhão.No último evento no aterro, um show do Babado Novo, moradores das redondezas sentiram os prédios tremerem provavelmente por causa da potência do som.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.