Praias vazias e shoppings cheios

Só metade dos turistas foi ao litoral

Rejane Lima, Camilla Rigi e Sérgio Duran, SÃO PAULO e SANTOS, O Estadao de S.Paulo

16 de novembro de 2007 | 00h00

A chuva, logo no início do feriado, esvaziou estradas e praias. Até as 19 horas de ontem, apenas a metade de veículos previstos havia seguido para o litoral sul do Estado, segundo a concessionária Ecovias. Quem ficou em São Paulo se espantou com o movimento nos shoppings. "Resolvi ficar em São Paulo para economizar. Mas acabei desistindo de levar meu filho no cinema por causa da fila", reclamava a assistente de marketing Daniela Rodrigues, de 26 anos, no Center Norte. Para completar, sol mesmo só domingo. De acordo com a Climatempo, hoje haverá chuva e amanhã o céu seguirá nublado.Quem decidiu viajar para a Baixada Santista teve de apelar para a criatividade para arrumar o que fazer ontem. A analista de sistemas Kátia Veras Fornazari Iosp, de 31 anos, pensou em desistir da viagem a Santos, mas, como já tinha combinado com a tia que a hospeda, no Embaré, acabou indo com o marido e o filho de 3 anos. Desta vez, porém, o menino vai trocar os passeios na praia pelo shopping. "Quero ver a decoração de Natal e vamos assistir uns DVDs em casa", completou Kátia.O presidente do Guarujá Convention & Visitors Bureau, Ricardo Roman Júnior, afirmou que, com 100% da rede hoteleira ocupada, muita gente foi para a cidade mesmo com o tempo instável. "Pacote é pacote e o pessoal que reserva antes não tem como voltar atrás. A cidade está cheia, mas não tem quase ninguém na rua ou na praia por causa da chuva."Desde a zero hora de anteontem até as 19 de ontem, 145.568 veículos desceram a serra, segundo a Ecovias, que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes. A estimativa inicial da concessionária era de que entre 300 mil e 570 mil veículos iriam para o litoral nos feriados da Proclamação da República e da Consciência Negra.AEROPORTOSO movimento foi intenso nos aeroportos de São Paulo ontem. Em Guarulhos, houve filas no check-in. Com o mau tempo, o aeroporto operou por instrumentos. Até as 17 horas, das 167 partidas, 17 (10,2%) tiveram atraso de mais de uma hora e quatro vôos foram cancelados. Em Congonhas, às 17 horas a Infraero registrava atrasos em 17 decolagens, de um total de 186. No País, o índice de atrasos, até o fim da tarde era de 12,4%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.