Prédio da Estação da Luz terá elevadores e auditório

Um auditório para 250 pessoas, elevadores e salas de estudo com recursos de vídeo e áudio. Nos próximos meses, começa a segunda etapa da restauração da Estação da Luz, que vai abrigar um centro de estudos da língua portuguesa. Quando tudo estiver pronto, em meados de 2005, quem andar pelo interior da estação vai encontrar um cenário totalmente diferente. A começar pela praticidade. Cinco elevadores vão conduzir os visitantes aos andares superiores, que durante muito tempo abrigaram escritórios das companhias ferroviárias. O projeto de adequação do prédio está sendo elaborado pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha. "É um grande desafio dar um novo uso ao prédio histórico", diz o filho do arquiteto, Pedro Mendes da Rocha, que trabalha com ele. As adaptações estão sendo estudadas e serão concluídas assim que aprovadas pelos órgãos de preservação do patrimônio histórico e pela Fundação Roberto Marinho. O custo total do novo centro, que inclui a restauração das fachadas, é de R$ 30 milhões. A proposta é adaptar o espaço para todos os tipos de eventos, desde exposições temporárias até salas de pesquisa. O auditório, que também será sala de cinema, deve ficar no terceiro andar da ala leste. IncêndioA escolha do local é técnica. Na ala leste, é possível fazer as maiores intervenções, já que a área teve de ser reconstruída após um incêndio ocorrido na estação na década de 40. Como não foi atingida pelo fogo, a ala oeste guarda as características originais do prédio, inaugurado em 1901. Suas divisões serão aproveitadas para abrigar eventos e alguns setores do centro cultural. O hall principal também será totalmente reformado. "Ele vai continuar ligado à parte operacional da estação", diz Mendes da Rocha, lembrando que a Luz seguirá funcionando normalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.