Prédio de sindicato em Guarulhos é invadido por diretoria afastada

Armados de pedaços de madeira com pregos e pedras, por volta das 23h15 de sexta-feira pelo menos 40 pessoas, entre elas o presidente afastado Francisco Luiz da Silva e alguns ex-diretores, vários supostamente ligados à Força Sindical, invadiram o prédio do Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários e Trabalhadores em Transportes Urbanos de Passageiros de Guarulhos, localizado na altura do nº 225 da Rua Jaiminho, em Vila Progresso, região central de Guarulhos, na Grande São Paulo. "Uma bomba caseira explodiu na porta do sindicato. Tiros foram disparados também", afirmou Marco Aurélio Paulo de Oliveira, advogado do Sindicato, órgão que possui sete mil trabalhadores filiados. Segundo ainda o advogado, por tomar várias decisões, entre elas vender bases territoriais do sindicato e fazer acordos trabalhistas, sem a anuência da diretoria e dos filiados, Francisco Luiz da Silva, eleito em junho de 2004, teve de deixar o cargo após sentença expedida pela juíza da 4ª Vara da Justiça do Trabalho. "Com medo da invasão por parte dos diretores e do presidente afastados, muitos da atual diretoria resolveram pernoitar aqui no prédio. Várias pessoas ficaram feridas no tumulto", acrescentou o advogado. O vice, José Roberto da Silva, assumiu automaticamente o cargo de presidente com a saída de Francisco. O Ministério Público do Trabalho investiga também outras ações cometidas de forma irregular pela antiga diretoria. Uma delas, a de vender bens do Sindicato. " Eles (os afastados) querem tomar de qualquer jeito o Sindicato", disse um dos 28 membros da atual diretoria, que não quis se identificar. Policiais militares do 15º Batalhão foram acionados assim que o tumulto teve início. Várias pessoas envolvidas no confronto foram levadas ao 1º Distrito Policial de Guarulhos para ser lavrado um boletim de ocorrência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.