Reuters
Reuters

Prédio onde brasileiros morreram no Chile não tinha selo de acreditação para instalação de gás

Plataforma de aluguel AirBnb diz que é função do anfitrião garantir a segurança das instalações

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2019 | 16h42

SANTIAGO - A Superintendência de Eletricidade e Combustível (SEC) do Chile informou nesta quinta-feira, 23, que o edifício onde seis turistas brasileiros morreram nesta quarta, 22 - provavelmente intoxicados por monóxido de carbono - não tinha o selo verde que acredita que as instalações de gás estejam funcionando de maneira correta. As informações foram dadas pelo órgão à agência de notícias AFP.

Também nesta quinta-feira, a plataforma de aluguéis temporários AirBnb confirmou que o apartamento havia sido alugado por meio do site e ressaltou que são os anfitriões (locadores) que "devem se certificar que seguem as leis e regulações locais".

Os turistas estavam de férias e haviam alugado um apartamento em região próxima ao centro de Santiago. Eles estavam havia quatro dias na cidade. Em mensagens de áudio enviadas a familiares na quarta-feira, uma das vítimas pede ajuda para salvar a família.

Em nota, o Airbnb afirmou à AFP que lamenta o acidente e que "está acompanhando de perto a situação e trabalhando com urgência para dar apoio às famílias dos hóspedes nesse momento tão difícil".

A empresa disse ainda ter um programa gratuito de entrega de detectores de fumaça e de monóxido de carbono aos anfitriões interessados. Ressaltou ainda que nos mais de 500 milhões de aluguéis por meio do Airbnb, "os incidentes negativos são extremamente raros".

A companhia americana afirmou também que, se um hóspede reserva um espaço onde o anfitrião não informou ter detectores de fumaça e monóxido de carbono, a plataforma fornece essa informação para que o hóspede esteja ciente e tome as precauções necessárias. A SEC abriu uma investigação para apurar a origem do ocorrido com foco em três equipamentos a gás que estavam em funcionamento no apartamento: uma caldeira, um aquecedor e um fogão a gás.

Temperatura

A hipótese principal é a de que o acidente ocorreu por mal funcionamento de um equipamento a gás, tendo em conta que fazia um dia frio em Santiago, segundo explicou o chefe da SEC, Luis Ávila. Na quarta-feira, na cidade, foi registrada a temperatura mais baixa do ano, com mínima de 0ºC. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.