Prefeita dá prazo para acordo sobre trabalho aos domingos

A Prefeitura de São Paulo deu prazo de 60 dias para que a Federação do Comércio e o Sindicatodos Empregados no Comércio de São Paulo formalizem um acordo de trabalho paraque o comércio abra aos domingos no município.Tanto a Fecomércio quanto o Sindicato dos Empregados, no entanto, acreditam que oacordo deverá ser fechado dentro de dez dias. "A decisão da Prefeitura de dar prazo de60 dias para que entramos num acordo foi muito importante. Estamos otimistas e acreditamos que em dez dias tudo estará acertado", afirmou o presidente da Fecomércio,Abram Szajman.O vice-presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de São Paulo, Ricardo Patah, também disse estar otimista com a formalização do acordo em prazo menor do que o estipulado pela Prefeitura. Entre os benefícios que os empregados reivindicam para trabalhar aos domingos estão abono de R$ 15,00, limitação de dois domingostrabalhados por mês e recebimento de vales-refeição e transporte referentes aodomingo de trabalho. O presidente da Fecomércio disse que não vê problema na limitação de dois domingos de trabalho por mês nem do pagamento de vales-refeição e transportes. Para Szajman, o que pode dificultar o acordo é o abono de R$ 15,00 pleiteado pelo Sindicado dos Empregados. "Já estamos estudando uma contraproposta em relaçãoaos R$ 15,00", afirmou.Para o secretário municipal de governo, Rui Falcão, o prazo de 60 dias dado pelaadministração municipal para regulamentar a lei 13.473 sobre o funcionamento docomércio varejista aos domingos, mostra que o governo municipal sabe da importânciado funcionamento do comércio nos domingos. "O funcionamento aos domingos docomércio atrai turistas e gera empregos", comentou Falcão, acrescentando que o papeldo governo não é pactuar os interesses de empregadores e empregados, mas sim o deregulamentar o funcionamento do comércio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.