Prefeita de Campinas afasta mais um secretário

A diretora do Departamento de Processos Disciplinares e Investigatórios da prefeitura de Campinas, Camile Silva Nóbrega, assume hoje, interinamente, a Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos e Cidadania. Nilson Lucilio, que ocupou o cargo até sexta-feira, foi exonerado pela prefeita Izalene Tiene (PT). Lucilio era advogado, amigo pessoal e um dos principais aliados do prefeito Antonio da Costa Santos, morto há nove meses.A demissão ocorreu em conseqüência da Comissão Especial de Inquérito (CEI) instaurada pela Câmara Municipal na semana passada. Izalene é acusada e será investigada por ter desrespeitado a lei municipal ao assinar um decreto autorizando a instalação de antenas de celulares sobre caixas d?água da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa), autarquia municipal, e ao conceder um alvará para a abertura de um bingo a menos de 500 metros de outro.A lei determina que pelo menos 60% dos moradores da área em questão aprovem a instalação da antena e que os bingos estejam a mais de 500 metros de distância um do outro. Ao ser questionado sobre as decisões da prefeita, Lucilio comentou que não havia sido consultado. A declaração irritou Izalene, que decidiu exonerar o secretário.Em uma nota pública, a prefeita alegou que "tem clareza de que agiu de forma correta e legal ao autorizar a instalação de antenas e de um bingo na área central da cidade". Ainda conforme a nota, "o Governo Democrático e Popular não pode admitir que um de seus membros lance dúvidas sobre a legalidade das duas medidas adotadas. A atitude do senhor Nilson Roberto indica quebra de confiança necessária entre a chefe do Executivo e seu representante na Secretaria de Assuntos Jurídicos e da Cidadania".Conversas de bastidores indicavam a intenção da prefeita em exonerar Lucilio já há alguns meses. Uma nota pública chegou a ser divulgada há cerca de dois meses afirmando que ele permaneceria no cargo. Mas o clima amigável não resistiu à CEI. Lucilio integra o grupo de aliados do prefeito morto descontentes com os rumos adotados pela administração de Izalene.No sábado, secretários nomeados por Toninho do PT, como era chamado o prefeito, chegaram a discutir, em uma reunião sigilosa, a renúncia coletiva. Desde que assumiu o cargo, Izalene demitiu sete secretários. Há outros oito da equipe de Toninho ocupando pastas importantes como Saúde, Transportes e Educação. Depois de conversar a portas fechadas, os remanescentes decidiram se manter nos respectivos cargos.A justificativa é que o PT definiu um plano de governo levado por Toninho para a prefeitura quando assumiu o cargo e os secretários irão se esforçar para que esse plano seja cumprido. Apesar dos argumentos da prefeita, a demissão desgasta ainda mais sua relação com o partido e aprofunda a crise interna que tem se revelado desde a morte de Toninho.O prefeito morto era um bom negociador, não integrava nenhuma facção do partido e tinha influência sobre todas elas. A postura democrática lhe garantiu apoio majoritário na Câmara Municipal, inclusive dos partidos de oposição. Izalene faz parte da facção Fórum Socialista, que tem no deputado estadual Renato Simões seu mais destacado representante.Quando Izalene assumiu, o presidente da Câmara, Romeu Santini (PSDB), prometeu manter o apoio ao governo. Mas o mesmo Romeu Santini defendeu a abertura da CEI e está questionando publicamente a prefeita sobre os novos contratos, ainda não formalizados, para o fornecimento da merenda às escolas do município. Lucilio não foi encontrado ontem para comentar a exoneração.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.