Prefeita de Campinas é vaiada por servidores em greve

A prefeita de Campinas Izalene Tiene (PT) desafiou nesta quinta-feira os servidores grevistas que faziam piquete em frente ao Paço Municipal a impedir a entrada dos funcionários públicos. Izalene, o secretariado e alguns funcionários enfrentaram os grevistas e entraram no prédio. A prefeita tentou discursar, mas foi vaiada e deu as negociações por encerradas.Cerca de 200 manifestantes atiraram farinha e ovos nos funcionários que insistiram em entrar no Paço para trabalhar. O secretário de Gabinete, Lauro Marcondes, e um assessor foram agredidos. A prefeita disse que vai garantir nesta sexta-feira, pessoalmente, o acesso ao Paço dos trabalhadores que não quiseram aderir à greve.Izalene comentou que enviaria à Câmara Municipal a proposta feita pela prefeitura aos servidores, em greve há 16 dias, de aumento de 10% no tíquete-alimentação, que passaria para R$ 220, e bônus salarial de R$ 70. A prefeitura também propôs a criação de uma comissão, com representantes do Sindicato dos Servidores, para analisar as contas públicas e sugerir como obter recursos para aumentar os salários.As propostas foram recusadas pelo sindicato, que pede 30% de reajuste salarial e redução da jornada de trabalho de 36 para 30 horas semanais. O sindicato divulga que 70% dos servidores aderiram à greve. Segundo balanço da prefeitura, a adesão é de 20%. Izalene afirma que não há recursos para reajuste e que não pode desrespeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.