Prefeita de SP ganha mais que Lula

Em meio a tantos problemas administrativos, como o caos no sistema de transporte coletivo, a prefeita Marta Suplicy (PT) teve uma boa notícia. Graças à lei que vincula seu salário ao dos deputados estaduais, Marta teve reajuste de 53% nos vencimentos, que passaram de R$ 6.210,00 para R$ 9.540,00 brutos. Com o aumento, a prefeita está ganhando mais do que o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que recebe R$ 8.797,00. Ela perde, entretanto, para o governador Geraldo Alckmin (PSDB), cujos vencimentos chegam a R$ 12.720,00. Pela lei, a prefeita deve receber 75% do salário dos deputados estaduais, reajustado em fevereiro. Até o mês passado, ela recebia R$ 4.657,50 de salário e R$ 1.552,50 de verba de representação. Com as mudanças, o salário foi para R$ 7.155,00 e a verba para R$ 2.385,00. Os R$ 9.540,00 equivalem a 47,7 salários mínimos (R$ 200,00). Os vereadores, também beneficiados, passaram a receber o mesmo salário da prefeita, sem a verba de representação. A boa notícia pode, entretanto, ser uma dor de cabeça para Marta. É que o aumento vai causar um impacto em toda a folha de pagamento dos servidores municipais e funcionários da Câmara e Tribunal de Contas do Município (TCM). Pela lei, nenhum funcionário pode ganhar mais do que a prefeita, mesmo que tenha direito a um vencimento maior. Com o reajuste, o teto salarial também vai subir, beneficiando servidores mais bem remunerados. No TCM, o impacto com as mudanças na folha deve ser de R$ 2,5 milhões este ano. Na Câmara, a previsão é de um aumento de R$ 9,8 milhões e, na Prefeitura, de cerca de R$ 3,3 milhões. Além do gatilho, o ganho mensal de Marta pode aumentar ainda mais. Há um projeto na Câmara que transforma seu salário em subsídio a ser definido pelo Executivo. O projeto está parado, mas, em entrevista concedida ao Estado no mês passado, Marta manifestou o desejo de que ele fosse aprovado. Como argumento, comparou o seu salário ao de outros prefeitos do Estado e da Grande São Paulo, que superam R$ 10 mil mensais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.