Prefeita manterá projetos de Toninho do PT

A prefeita Izalene Tiene (PT) afirmou hoje que irá manter o projeto do governo iniciado por Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, morto com um tiro na segunda-feira. "O projeto não é meu ou de Toninho, é do partido e será mantido", alegou. Izalene também descartou troca de secretários ou novas nomeações. Disse que sua primeira medida como prefeita será reunir, amanhã de manhã, o secretariado para discutir os próximos passos. "Do meu gosto, não queria estar assumindo", afirmou. Mas disse se sentir responsável por levar adiante o governo.Izalene pediu apoio da Câmara Municipal e obteve a promessa do presidente da Casa e agora vice-prefeito, Romeu Santini, de que o terá. "Estaremos juntos, falo isso por todos os vereadores", garantiu Santini. A prefeita contou que pediu ao secretário de Negócios Jurídicos para que seja formada uma comissão para acompanhar as investigações da polícia sobre o assassinato. Izalene também avisou que, ao contrário de Toninho não irá dispensar segurança. "Pelo aspecto político e não pela violência de Campinas", enfatizou.A prefeita negou ter conhecimento de que o prefeito sofria ameaças ou de que ele teria alguns dossiês incriminando empresas ou políticos da região. "Isso nunca foi cogitado. Estranhei a declaração do (Eduardo) Suplicy sobre o assunto. Estou marcando um encontro com ele para entender melhor", garantiu Izalene. O delegado seccional Osmar Porcelli também diz que não foi notificado das ameaças e que tentará esclarecê-las quando ouvir os parentes do prefeito, ainda sem previsão.As hipóteses, no entanto, devem ser confirmadas, conforme a prefeita. "Tudo tem que ser investigado", disse. Ela reconheceu os altos índices de criminalidade de Campinas e avisou que irá ampliar o quadro da Guarda Municipal dos atuais 417 homens para 619. Os novos 202 guardas já estão sendo treinados, por determinação de Toninho. Izalene afirmou estar preparada para assumir a Prefeitura de Campinas e disse que irá manter o estilo independente de Toninho.O prefeito morto não era vinculado a nenhuma facção do partido e tinha fama de transitar com facilidade por diferentes vertentes. Izalene é conhecida por sua forte atuação em questões sociais. "Não obedecerei facções do partido. As decisões serão do governo", garantiu.

Agencia Estado,

12 de setembro de 2001 | 19h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.