Prefeito cassado volta ao cargo e é afastado horas depois

A pequena Avanhandava, cidade da região de Araçatuba que tem 9 mil habitantes, viveu um dia de agitação política. Em apenas 24 horas, a cidade teve dois prefeitos. A cassação do prefeito Antonio Calixto Portela (PDT) foi revogada e ele reassumiu seu cargo. Porém, o vice Márcio Roberto Duran (PL) recorreu da decisão e voltou a ocupar o posto que assumiu desde o afastamento de Portela.Na noite da última terça-feira, a Câmara de Vereadores realizou uma sessão extraordinária onde revogou o ato de cassação de Portela, afastado do cargo em dezembro acusado de autorizar vereadores, seus familiares e funcionários municipais a abastecerem seus veículos particulares na conta da Prefeitura. Com a anulação, Portela foi reconduzido na mesma noite. Mas, ao amanhecer, o vice, que vinha governando a cidade desde a cassação, recorreu da decisão e, às 14 horas, retornou ao cargo, por ordem judicial.Para promover as anulações, os vereadores tomaram por base uma escritura pública feita pelo vereador Zelver Ceschi (PMDB) e pelo munícipe Mauri Marcele, que afirma serem falsificadas as assinaturas de Calixto nas requisições. Compareceram à sessão sete dos 11 vereadores, decidindo por revogar a cassação. Mas, seis dos presentes são supostos beneficiários do abastecimento irregular, tanto que na sessão de cassação, realizada em dezembro, foram substituídos por seus suplentes. Apenas esse motivo serviu para tornar nula a decisão e reconduzir o vice à chefia do governo.Duran disse hoje que esse teria sido um golpe fracassado de seus adversários políticos, que tiveram os interesses frustrados desde a sua posse. Ele revelou também que sua assessoria estuda medidas jurídicas em relação aos autores da escritura pública que o apontam como envolvido na possível falsificação das requisições que motivaram a cassação do prefeito.Jair AceitunoA pequena Avanhandava, cidade da região de Araçatuba que tem 9 mil habitantes, viveu um dia de agitação política. Em apenas 24 horas, a cidade teve dois prefeitos. A cassação do prefeito Antonio Calixto Portela (PDT) foi revogada e ele reassumiu seu cargo. Porém, o vice Márcio Roberto Duran (PL) recorreu da decisão e voltou a ocupar o posto que assumiu desde o afastamento de Portela.Na noite da última terça-feira, a Câmara de Vereadores realizou uma sessão extraordinária onde revogou o ato de cassação de Portela, afastado do cargo em dezembro acusado de autorizar vereadores, seus familiares e funcionários municipais a abastecerem seus veículos particulares na conta da Prefeitura. Com a anulação, Portela foi reconduzido na mesma noite. Mas, ao amanhecer, o vice, que vinha governando a cidade desde a cassação, recorreu da decisão e, às 14 horas, retornou ao cargo, por ordem judicial.Para promover as anulações, os vereadores tomaram por base uma escritura pública feita pelo vereador Zelver Ceschi (PMDB) e pelo munícipe Mauri Marcele, que afirma serem falsificadas as assinaturas de Calixto nas requisições. Compareceram à sessão sete dos 11 vereadores, decidindo por revogar a cassação. Mas, seis dos presentes são supostos beneficiários do abastecimento irregular, tanto que na sessão de cassação, realizada em dezembro, foram substituídos por seus suplentes. Apenas esse motivo serviu para tornar nula a decisão e reconduzir o vice à chefia do governo.Duran disse hoje que esse teria sido um golpe fracassado de seus adversários políticos, que tiveram os interesses frustrados desde a sua posse. Ele revelou também que sua assessoria estuda medidas jurídicas em relação aos autores da escritura pública que o apontam como envolvido na possível falsificação das requisições que motivaram a cassação do prefeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.