Prefeito de Congonhas afastado por improbidade

A Justiça determinou o afastamento do prefeito Gualter Monteiro (PL), da cidade histórica de Congonhas, a 89 quilômetros de Belo Horizonte. O juiz Paulo Roberto Caixeta, da Comarca local, acatou ontem a ação civil pública por atos de improbidade administrativa impetrada pelo Ministério Público Estadual (MPE). A promotora do município, Tais Leal Thomaz, questionou a ausência de licitação para contratação dos serviços de publicidade para a realização de um plebiscito, em agosto do ano passado, sobre a mudança do nome da cidade, anteriormente conhecida como Congonhas do Campo. O atual nome foi mantido. O prefeito confirmou que assinou um contrato com o banco ABN Amro Real, que forneceu recursos para o patrocínio doplebiscito. A instituição financeira, em troca, ganhou o direito de instalar um caixa eletrônico dentro da policlínica do município. Monteiro disse que na época convidou todos os bancos presentes na cidade a participar do plebiscito, mas o único que aceitou foi o Real. Ele exerce pela o mandato de prefeito de Congonhas pela terceira vez e é candidato à reeleição. O prefeito afastadoafirmou que vai recorrer da decisão ainda nesta semana. No fórum da cidade, tramitam ao todo 15 ações civis públicas e duas ações populares contra Monteiro.O vice-prefeito, Marcelo Armando (PSB), já assumiu a prefeitura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.