Prefeito de Itu quer municipalizar os coletivos

A Câmara de Itu começa a discutir amanhã o projeto do prefeito Lázaro Piunti (PSDB-SP) propondo a criação de uma empresa municipal de ônibus para realizar o transporte de passageiros na cidade. Segundo o projeto, essa empresa dividirá com duas outras viações, a serem contratadas através de concorrência pública, a demanda do transporte público, que é de um milhão de passageiros por mês. De acordo com Piunti, a viação municipal absorveria as linhas de maior fluxo e, em compensação, ficaria incumbida do transporte social, atendendo os bairros mais distantes e a zona rural. O prefeito acredita que essa é a melhor forma de acabar com o monopólio existente no serviço. Segundo ele, as duas empresas contratadas na administração anterior pertencem a um mesmo grupo empresarial. "O serviço que prestam não atende às necessidades da população", reclamou. Desde janeiro, quando assumiu a Prefeitura, Piunti protagoniza um conflito com as empresas de ônibus. Uma de suas primeiras medidas foi anular um aumento de 10% nas tarifas concedido pelo seu antecessor, o ex-prefeito Leonel Salvador (PMDB), duas semanas antes do fim do mandato. Com a medida, Piunti baixou a tarifa de R$ 1,10 para R$ 1,00, mas as empresas recorreram à Justiça. O prefeito tentou também abrir nova concorrência para o serviço, já que o prazo da concessão já havia expirado. Mas essa medida também foi embargada na Justiça. A criação da empresa municipal terá que ser aprovada pela maioria dos 19 vereadores. No primeiro momento, a empresa atuará com ônibus alugados, até adquirir frota própria. Os funcionários serão admitidos por concurso público.

Agencia Estado,

26 de agosto de 2001 | 16h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.