Prefeito de Pitangueiras luta pelo próprio salário

O prefeito de Pitangueiras, na região de Ribeirão Preto, Waldir de Felício (PT), vai recorrer de uma liminar judicial que determina a redução de seu salário, de R$ 7.000,00 para R$ 3.600,00. O salário de sua vice, Ernestina Luz de Carvalho (PT), que é secretária de Saúde, também foi reduzido de R$ 3.000,00 para R$ 1.500,00. "Estou sendo vítima de um ato obsceno, de má intenção do meu antecessor", diz Felício.O motivo da indignação de Felício é que o ex-prefeito Joaquim Bernardes Tostes Filho (PTB) aprovou o aumento dos salários dos vereadores, mas vetou o do prefeito e do vice, após não ser reeleito. Mas o presidente da Câmara da época, Selmo Giovanni Leone (PTB), desconsiderou o veto e baixou um decreto legislativo promulgando a lei. Então, o impasse judicial começou.A liminar foi concedida pela juíza Carina Laguna Roselino, em ação popular movida pelo prestador de serviços gerais Valdiney Pereira Barroso, que justificou irregularidade na aprovação do aumento salarial do prefeito. Segundo Felício, dos 15 vereadores da legislatura anterior, 13 eram favoráveis a Tostes Filho e aprovaram os aumentos, inclusive do executivo, em setembro de 2000. Mas, após a derrota, o prefeito só aprovou o aumento aos vereadores."Será que ele (Tostes Filho) vetaria se tivesse ganho a eleição?", questiona Felício. "Eu estava fora disso tudo." Felício ainda não sabe se terá problema com Ernestina, que não recebe salário como secretária, só como vice. Mas o salário de secretário é superior a R$ 2.000,00, ou seja, maior que o de vice, caso a liminar prevaleça.

Agencia Estado,

16 de abril de 2002 | 15h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.