Prefeito de Ribeirão Bonito pode ser cassado

Depois de quase duas semanas da aprovação da Comissão Processante, que poderá afastá-lo do cargo, o prefeito de Ribeirão Bonito, Antônio Sérgio Mello Buzzá (PMDB), só foi notificado hoje pelos integrantes da mesa diretora da Câmara. Acusado pela prática de várias irregularidades administrativas, como desvio de verba pública (cerca de R$ 1 milhão) e contratos ilegais, ele terá dez dias dias para apresentar sua defesa prévia por escrito, segundo o procurador do município, Reginaldo Rodrigues dos Santos. A votação da cassação poderá ocorrer até o final do mês. O Ministério Público, que investiga o caso em sigilo, recolheu documentos recentes para verificar se novas irregularidades ocorreram desde 23 de novembro.Para a advogada da Organização Não-Governamental (ONG) Amigos Associados de Ribeirão Bonito (Amarribo), Laurília Ruiz de Toledo Veiga Alquezar, Buzzá evitou ser encontrado pelos integrantes da comissão desde que os vereadores decidiram, por unanimidade, em 18 de março, abrir o processo de cassação. "Ele sumiu de propósito, tanto que os atos administrativos foram assinados por ele e o vice não assumiu o cargo nesse período", comentou ela. Segundo Santos, Buzzá ficou dois dias fora da prefeitura para negociar com dois advogados para defendê-lo e que nos demais trabalhou normalmente. Após a sua constituição, a Comissão Processante tentou notificar o prefeito pessoalmente por cinco vezes, mas não conseguiu localizá-lo. Para não atrapalhar o processo, Laurília entrou, por meio da comissão com um pedido de notificação judicial, por edital, para que Buzzá fosse notificado em publicação do Diário Oficial do Estado. Mesmo com a notificação de hoje, Laurília disse que a publicação será feita. "Isso impede uma tentativa de justificar uma possível irregularidade no processo", disse ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.