Prefeito do Rio admite risco de novos deslizamentos com chuvas do verão

Seis meses após temporais que deixaram 48 mortos na cidade, prefeitura anuncia que está investindo R$ 442 milhões em ações emergenciais para evitar nova tragédia

Agência Brasil,

05 Outubro 2010 | 16h30

RIO - Passados seis meses das tragédias causadas pelas chuvas que deixaram 48 mortos, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, não descartou nesta terça-feira, 5, a possibilidade de novos deslizamentos de terra em decorrência dos temporais do próximo verão.

 

"Nós não atingimos o mundo ideal ainda. Porque, infelizmente, se ocorrer uma chuva como aquela, não vai ser só a Lagoa Rodrigo de Freitas que vai encher. Provavelmente teremos mais deslizamentos em áreas onde as pessoas vivem", afirmou o prefeito.

 

Paes adiantou que a prefeitura está construindo um centro de operações para a prevenção de acidentes decorrentes das chuvas. Segundo o prefeito, o centro será um dos mais modernos do mundo e contará com um novo radar meteorológico que detecta nuvens baixas, como as que causaram os temporais de abril, e garante mais rapidez na prevenção de temporais. A cidade utiliza atualmente um radar da Aeronáutica localizado na cidade de Petrópolis, região serrana do estado. O aparelho só detecta nuvens mais altas, justamente por ficar a 838 metros acima do nível do mar.

 

Ao fazer o balanço das ações emergenciais feitas pela prefeitura depois do desastre, nesta terça-feira, o prefeito Eduardo Paes lembrou que está investindo R$ 442 milhões, sendo R$ 200 milhões do governo federal, na reconstrução da cidade. Parte das 280 obras de contenção em 47 bairros estão em andamento.

 

Além disso, ainda de acordo com a prefeitura, 26 rios e canais foram desassoreados e 25 pontos de alagamento na zona oeste da cidade foram eliminados. Cerca de 75% dessas obras de recuperação foram concluídas. A previsão de conclusão das intervenções restantes é dezembro deste ano. As informações são da Agência Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.