Prefeito é denunciado por irregularidades no Plano Diretor

O procurador Marcos Salatti, do Ministério Público Federal de Jaú, no interior de São Paulo, protocolou na terça-feira, 6, ação onde pede o enquadramento do prefeito João Sanzovo Neto (PSDB) por crime de improbidade administrativa.Segundo a denúncia, a Prefeitura contratou irregularmente, sem concorrência pública, a Fundação para a Pesquisa Ambiental (Fupam), coordenada pelo arquiteto Jorge Wilhein, para executar o projeto pelo valor de R$ 598 mil. Além disso, o escritório de arquitetura teria sido abastecido com dados que favorecem especuladores imobiliários e redirecionam o desenvolvimento da cidade sem observância da legislação ambiental. Além da improbidade, o procurador também pede a indisponibilidade dos bens do prefeito e de outros envolvidos, entre eles Wilhein, a condenação de todos a multas civis e a proibição de que se relacionem com o poder público durante dez anos.Cópia da denúncia foi encaminhada ao promotor da cidadania, Celso Élio Vanuzini, que estuda as possíveis providências de nível estadual, e para a Câmara de Vereadores. A denúncia do MPF dá condições para a Câmara abrir uma comissão processante, que pode culminar com a cassação do mandato do prefeito, mas os vereadores ainda não decidiram o que fazer.João Sanzovo disse, através de sua assessoria de imprensa, que só falará depois de intimado e conhecer o inteiro teor das denúncias. Mas declara que todo o processo do Plano Diretor foi elaborado em conformidade com a lei e com total transparência.

Agencia Estado,

07 de março de 2007 | 16h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.