Prefeito quer proibir minissaia durante a Quaresma

O prefeito de Aparecida, José Luiz Rodrigues (PFL), conhecido por "Zé Louquinho" quer proibir o uso de minissaias, blusas cavadas ou de alça e bermudas durante a quaresma na cidade. Como argumento, ele diz que o município representa a fé e a religiosidade brasileira. "Preservar os bons costumes é bom e não custa nada este sacrifício durante quarenta dias". O projeto de lei ainda está sendo analisado pelo Departamento Jurídico da Câmara antes de ser votado. Enquanto os vereadores não se pronunciam, a população reclama. A maioria das jovens, principalmente com menos de 20 anos, acha "um absurdo" esta medida. "Esse prefeito é louco. É mesmo um louquinho", diz a estudante Márcia Alves Oliveira. A doméstica Vanessa Tavares foi até a prefeitura entregar um documento vestindo minissaia e blusa de alça e garantiu, "ninguém vai me impedir de andar assim, a não ser que ele troque meu guarda-roupa". Para o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, de Aparecida, a doméstica tem razão. "A medida é inconstitucional e fere o direito de ir e vir e o direito à qualquer crença", comentou Moraes. Mas não é só a população que não concorda. Para o administrador da Basílica Nacional de Aparecida, a proposta é um tanto exótica e não reflete o pensamento da igreja. "Estamos mais preocupados com o coração dos fiéis, e não com as exterioridades", disse o padre Darci Nicioli, administrador do Santuário Nacional. Se a Câmara aprovar a medida, vinte fiscais da prefeitura vão percorrer as ruas da cidade em busca de pernas e braços de fora, de homens ou mulheres. "Quem for pego durante a quaresma, paga R$ 50, e na Semana Santa paga R$100, já que o pecado é maior", defende o prefeito. As rendas seriam revertidas para entidades sociais do município.Tão inusitado quanto proibir o uso de minissaia na quaresma é a proposta do prefeito de Taubaté, José Bernardo Ortiz (PSDB). Em pronunciamento público durante o Carnaval, ele sugeriu que a festa seja transferida para o mês de maio na cidade, "para que a chuva não atrapalhe o desfile das escolas de samba". A assessoria de imprensa confirmou a proposta e disse que esta sendo analisada pelas Escolas de Samba de Taubaté. O presidente da comissão de Carnaval, Aloísio Rodrigues da Silva, disse que o prefeito tem uma "visão futurista", mas que o assunto ainda vai ser muito discutido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.