Prefeito tucano é assaltado em casa e critica Alckmin

O prefeito de Dumont, Antônio Roque Bálsamo (PSDB), que foi assaltado em sua residência na noite de sábado, fez duras críticas hoje à política de segurança pública do governo de São Paulo. "Não há segurança em Dumont e na região e o governador Geraldo Alckmin e o secretário de Segurança Pública (Saulo de Castro) que me desmintam", disse o prefeito.Ele reclamou da falta de recursos e do descaso com que vem sendo tratado pelo governo do Estado. "O que dois PMs poderiam fazer contra aqueles assaltantes?", disse. O prefeito informou que Dumont, com cerca de 7 mil habitantes, tem oito policiais militares (dois estavam trabalhando na noite de sábado), dois policiais civis, um carro policial (o outro está quebrado e um é emprestado), o delegado é substituto e a delegacia fecha à noite e nos finais de semana.Bálsamo diz que, mesmo sendo do PSDB, o partido do governador, não poderia deixar de criticar a falta de segurança. "Só se estiver boa em São Paulo, aqui, não, é mentira", disse. "Desde 2001, nem me atendem no Palácio dos Bandeirantes. Não falo só como prefeito, mas como cidadão." Segundo ele, cinco homens armados ficaram mais de uma hora em sua casa, ameaçando-o de morte ou de cortar um de seus dedos se não desse jóias e dólares. Estavam ainda na casa a mulher, a filha e o namorado da garota. "Conversei muito com eles e falei que sou um funcionário público e não ganho mais que R$ 3,5 mil", disse o prefeito, que teve a casa revirada. Os ladrões levaram alguns objetos pessoais (anéis, alianças), dinheiro e produtos eletroeletrônicos em um carro usado por eles.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.