Prefeitos em campanha e prefeituras paradas

No interior de SP, chefes de Executivos municipais reduzem o expediente e suspendem a agenda administrativa para se dedicar a seus candidatos

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Na reta final da campanha, prefeitos comprometidos com a eleição de seus candidatos reduzem o expediente e suspendem a agenda administrativa. Alguns se transformam em cabos eleitorais de candidatos a deputado em razão de vínculos políticos. Outros trabalham pela eleição de parentes.

Em Cotia, na Grande São Paulo, o prefeito Carlos Camargo (PSDB) faz campanha para o ex-prefeito Quinzinho Pedroso (PDT), seu antecessor no cargo e candidato a estadual.

Representantes da Associação Toca das Hortênsias tentam desde o início de agosto uma audiência com o prefeito, mas foram informados de que ele só iria atender após as eleições, pois está em campanha. Eles tentaram, então, uma audiência com o vice, Moisés Cabrera, que estaria atendendo no lugar do prefeito, mas ele também estava em campanha. O expediente na prefeitura ficou a cargo de dois assessores.

Camargo confirmou o apoio ao candidato, mas diz que só faz campanha após o expediente. "Tem prefeito que é de gabinete, mas eu sou de rua. Vou aos postos de saúde, escolas e visito as obras, mas atendo a todos que procuram." Segundo ele, é obrigação do prefeito se empenhar para eleger deputados que tenham compromisso com a cidade.

É o que pensa também o prefeito de Itapetininga, Roberto Ramalho, do PMDB. Sua mulher, Angela Ramalho, concorre a uma vaga na Assembleia. Ramalho, que garante não misturar a função pública com a agenda política, diz que fazer política para trazer benefícios à região é legítimo. "Trabalhamos para ter representatividade, pois o desenvolvimento da região depende de deputados atuantes."

Ele pretende distribuir aos eleitores uma lista de candidatos à reeleição que destinaram recursos à cidade através de emendas, com os respectivos valores, e dos novos concorrentes que assumiram esse compromisso. Entre estes, sua mulher.

Empenhado na eleição da mulher, Adriana de Nardo Silva, candidata a estadual, o prefeito de Valinhos, Marcos José da Silva (PMDB), diz que a campanha não atrapalha a função executiva. Segundo sua assessoria, ele trabalha para a eleição da mulher quando está fora do expediente.

O prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), também informa que se dedica à campanha da filha Bruna Furlan, candidata tucana à Câmara, apenas fora do expediente. Na semana passada, ele compareceu com a filha a tiracolo numa reunião noturna com comerciantes e empresários de Alphaville. Também acompanhou a jovem em eventos políticos em Embu, Taboão da Serra, Carapicuíba e Itapecerica da Serra.

Assediado por dezenas de candidatos, o tucano João Cury, prefeito de Botucatu, fechou com dois concorrentes da própria cidade. Ele disse que é o momento de retribuir o apoio dado à cidade através das emendas parlamentares. "Temos candidatos do nosso partido, mas não viramos as costas àqueles que nos ajudaram com recursos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.