Prefeitos em campanha e prefeituras paradas

No interior de SP, chefes de Executivos municipais reduzem o expediente e suspendem a agenda administrativa para se dedicar a seus candidatos

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2010 | 00h00

Na reta final da campanha, prefeitos comprometidos com a eleição de seus candidatos reduzem o expediente e suspendem a agenda administrativa. Alguns se transformam em cabos eleitorais de candidatos a deputado em razão de vínculos políticos. Outros trabalham pela eleição de parentes.

Em Cotia, na Grande São Paulo, o prefeito Carlos Camargo (PSDB) faz campanha para o ex-prefeito Quinzinho Pedroso (PDT), seu antecessor no cargo e candidato a estadual.

Representantes da Associação Toca das Hortênsias tentam desde o início de agosto uma audiência com o prefeito, mas foram informados de que ele só iria atender após as eleições, pois está em campanha. Eles tentaram, então, uma audiência com o vice, Moisés Cabrera, que estaria atendendo no lugar do prefeito, mas ele também estava em campanha. O expediente na prefeitura ficou a cargo de dois assessores.

Camargo confirmou o apoio ao candidato, mas diz que só faz campanha após o expediente. "Tem prefeito que é de gabinete, mas eu sou de rua. Vou aos postos de saúde, escolas e visito as obras, mas atendo a todos que procuram." Segundo ele, é obrigação do prefeito se empenhar para eleger deputados que tenham compromisso com a cidade.

É o que pensa também o prefeito de Itapetininga, Roberto Ramalho, do PMDB. Sua mulher, Angela Ramalho, concorre a uma vaga na Assembleia. Ramalho, que garante não misturar a função pública com a agenda política, diz que fazer política para trazer benefícios à região é legítimo. "Trabalhamos para ter representatividade, pois o desenvolvimento da região depende de deputados atuantes."

Ele pretende distribuir aos eleitores uma lista de candidatos à reeleição que destinaram recursos à cidade através de emendas, com os respectivos valores, e dos novos concorrentes que assumiram esse compromisso. Entre estes, sua mulher.

Empenhado na eleição da mulher, Adriana de Nardo Silva, candidata a estadual, o prefeito de Valinhos, Marcos José da Silva (PMDB), diz que a campanha não atrapalha a função executiva. Segundo sua assessoria, ele trabalha para a eleição da mulher quando está fora do expediente.

O prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), também informa que se dedica à campanha da filha Bruna Furlan, candidata tucana à Câmara, apenas fora do expediente. Na semana passada, ele compareceu com a filha a tiracolo numa reunião noturna com comerciantes e empresários de Alphaville. Também acompanhou a jovem em eventos políticos em Embu, Taboão da Serra, Carapicuíba e Itapecerica da Serra.

Assediado por dezenas de candidatos, o tucano João Cury, prefeito de Botucatu, fechou com dois concorrentes da própria cidade. Ele disse que é o momento de retribuir o apoio dado à cidade através das emendas parlamentares. "Temos candidatos do nosso partido, mas não viramos as costas àqueles que nos ajudaram com recursos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.