Prefeitura afirma que Virada Esportiva atraiu 1 milhão

Kassab promete manter maratona 24 h, que ofereceu 18 mil atividades

O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2024 | 00h00

A Virada Esportiva, maratona 24 horas de esportes encerrada ontem à tarde, será reeditada em 2008 e vai entrar para o calendário oficial de eventos de São Paulo. Segundo a Prefeitura, perto de 1 milhão de pessoas participaram de alguma modo das 18 mil atividades oferecidas pela Virada em 230 pontos. Entre elas, 300 mil atletas. Houve espaço para quem gosta de esportes sem esforço físico, como enxadristas que disputaram partidas no Parque Trianon, nos Jardins - o ex-campeão brasileiro José Costa Mecking, o Mequinho, chegou a jogar com 20 desafiantes ao mesmo tempo. Também foi o dia para divulgar esportes que começam a ganhar popularidade em São Paulo, caso do futebol americano, que cresceu principalmente a partir de 2005, com a ajuda do site de relacionamentos Orkut. Cerca de 600 ciclistas participaram de um passeio que teve ao todo 66 quilômetros e durou 11 horas, entre a noite de sábado e a manhã de domingo. Mas o evento com maior número de participantes, 25 mil, foi a 15ª Maratona Pão de Açúcar de revezamento (Veja mais informações sobre a corrida na pág. E5). No encerramento da programação, às 14 horas, no Parque da Independência, no Ipiranga, zona sul, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) prometeu repetir a Virada. "Não tivemos nenhum problema nessas 24 horas. A Virada foi uma idéia que deu certo e vamos fazer um balanço para aperfeiçoá-la." Pouco antes, no desafio do xadrez, iniciado às 10 horas, os participantes quase tinham presenciado uma histórica derrota do mestre Mequinho. "Os competidores eram muito bons. Quase me enrolei em uma disputa, mas consegui ganhar", disse Mequinho, que afirma não perder há 31 anos. "Como o xadrez é pouco divulgado, esta é uma oportunidade única." No Centro Olímpico do Ibirapuera, na zona sul, dirigido pela ex-jogadora de basquete Maria Paula Gonçalves da Silva, a Magic Paula, a variedade de modalidades deu o tom. Dentro do complexo recém-reformado, cerca de 5 mil crianças e jovens participaram de um "peneirão" para disputar vagas de treinamento em equipes de 11 modalidades, como judô, boxe, atletismo, ginástica artística e natação. Do lado de fora, no campo de futebol, entre às 19h30 e 6h30, cerca de 800 jovens, dos mais mirrados aos gordinhos, disputavam partidas oficiais da Liga Paulista de Futebol Americano, com incentivo do grupo "Futebol americano no Brasil: eu acredito!". O esporte é praticado oficialmente em São Paulo desde 2000, com a criação da liga. "As listas de e-mails ajudaram a começar. Com o Orkut, em 2005, entramos em um novo patamar", diz o produtor André Heiras, jogador do Brasil Devilzs. Na versão brasileira capacetes e protetores não são usados, e em vez de derrubar os jogadores com abraços nas pernas, o oponente deve arrancar uma fita que o rival leva amarrada na cintura. "Os riscos são semelhantes ao do futebol normal. Não há perigo. A estratégia é o que torna o esporte empolgante", disse o jornalista Daniel Miura, presidente da liga. Também de influência americana e com popularidade crescente, o streetball, basquete de rua, ganhou espaço na Virada - ou melhor, quase ganhou. As partidas deveriam ter começado à meia-noite no Beco do Aprendiz, na Vila Madalena, na zona oeste. Mas faltou a bola. Os participantes, apesar de frustrados, mantiveram o bom humor. Brincaram de pebolim e, mesmo sem bola, simularam enterradas. Houve confusão na divulgação dos horários da Virada Noturna de Bike, o que provocou desencontros e desistências, mas não impediu o passeio. A saída estava programada para 20 horas, mas parte da imprensa e o próprio site da Prefeitura indicavam meia-noite. "Chegamos lá no Ibirapuera à meia-noite, formamos um grupo de 12 pessoas e, mesmo sem nos conhecer, viemos", disse Ricardo Lacerda Bruns, que entrou no comboio de cerca de 400 ciclistas por volta da 1h30 no Memorial da América Latina, na zona oeste. O casal Henrique Setani e Maria Albano saiu de Mogi-Guaçu para participar. "Fazia tempo que não me sentia motivada para pedalar", afirmou Maria. O secretário de Esportes, Walter Feldman, prometeu criar programação permanente para os bikers, com passeios noturnos. RODRIGO PEREIRA, BRUNO PAES MANSO, THAÍS KUZMAN e ALEXSSANDER SOARES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.