Prefeitura amplia feiras de orgânicos

E mercados especializados nesses produtos se espalham pela cidade

Adriana Carranca, O Estadao de S.Paulo

17 de novembro de 2007 | 00h00

A Prefeitura de São Paulo inaugurou três novas feiras livres exclusivamente para venda de produtos orgânicos - às quintas-feiras em Santo Amaro, sextas-feiras no Pacaembu e aos sábados no estacionamento do Mercado Municipal, no centro. Em janeiro, será inaugurada a do Parque Villa-Lobos, no Alto de Pinheiros. Outras três estão previstas para o Alto da Lapa, Santana e Vila Mariana, além de Ibirapuera e Paraíso, onde os espaços estão sendo negociados com as subprefeituras. A vantagem das feiras organizadas pela Prefeitura é que, assim como na Ceagesp, compra-se direto do produtor. Segundo o supervisor de abastecimento da Secretaria das Subprefeituras, José Roberto Graziano, os preços costumam ser inferiores aos dos supermercados. "Nos mercados, mesmo os hortifrútis costumam ser vendidos em bandejinhas, alguns já cortados, ou seja, com maior valor agregado. Já na feira, compra-se a granel, portanto, conseguem preços mais baixos."São 25 barracas de produtores, em média, por feira. "A meta é incentivar os produtores do cinturão verde e do interior", diz Graziano. Do ponto de vista do consumidor, os orgânicos estão se espalhando pela cidade no rastro da busca dos paulistanos por melhor qualidade de vida, mesmo diante do caos da cidade. "Os paulistanos hoje buscam viver com maior qualidade de vida. O consumo de orgânicos também tem crescido muito por indicação de médicos e nutricionistas", diz Célia Batista Figueiredo, de 47 anos, do Sítio A Boa Terra.Foi o médico que, há cinco anos, recomendou os orgânicos para Hannelore Scheidt, de 60 anos, como coadjuvante do tratamento contra um câncer. Hoje, curada, ela continua adepta dos produtos. "Sempre gostei de cozinhar e descobri nos orgânicos um sabor e aroma muito mais intensos", disse, na quinta-feira, entre frutas e legumes da feira de orgânicos de Santo Amaro. Levou também geléias, queijos e pão integral.Além dos hortifrútis, também tem crescido a oferta de produtos industrializados, sem conservantes, como arroz, feijão, frango, molho de tomate, ovos, farinhas, laticínios, açúcar, geléias, sucos e até sorvetes, como os da linha Ecco, lançados pela empresa de consultoria em nutrição Nutribox, por enquanto, nos sabores açaí e amora. "Antes, era muito difícil encontrar esses produtos. Hoje, há mais variedade e novos pontos de venda na cidade", diz Hannelore. A tradicional feirinha do Parque da Água Branca, aos sábados, também ganhará novos endereços. Feiras comuns, como a que funciona no estacionamento do Estádio do Pacaembu e a da Rua Barão de Capanema, nos Jardins, inauguraram novas alas só para orgânicos. Os serviços de entrega de cestas em domicílio - como a Caminhos da Roça (www.caminhosdaroca.com.br), Orgânicos da Mantiqueira (www.organicosdamantiqueira.com.br) e A Boa Terra (www.aboaterra.com.br) se multiplicam pela cidade. Custam em média R$ 30 e oferecem cerca de dez itens.GARANTIAOs produtos à venda nas feiras da Prefeitura são certificados por entidades creditadas no Brasil pelo Ministério da Agricultura, como o Instituto Biodinâmico (IBD). Além do cultivo sem pesticidas químicos, a forma de manejo e fabricação dos produtos industrializados segue métodos naturais. No caso das carnes, os animais são de pasto livre e recebem alimentação natural, sem hormônios.CONFIRA OS ENDEREÇOSFEIRA DO MERCADÃONa esquina das Ruas da Cantareira e Comendador Assad Abdala (estacionamento do Mercado Municipal), das 7h30 às 13h30FEIRA DO PACAEMBUNa Praça Charles Muller, às sextas-feiras, das 7h30 às 13h30FEIRA DO PARQUE DA ÁGUA BRANCANa Avenida Francisco Matarazzo, 455, aos sábados, das 6h às 12hFEIRA DO IBIRAPUERANa Rua Tutóia (em frente da Igreja do Santíssimo Sacramento), aos domingos, das 7h às 12h ARTESÃNa Rua Paulistânia, 450, Vila Madalena. Telefone: 3815-6149IMAGINARTENa Rua da Consolação, 2.847, conjunto 01, Cerqueira César. Telefone: 3085-5346TAYANa Rua Padre João Manoel, 968, de segunda-feira a sábado, das 8h às 20h30. Telefone: 3062-3700

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.