Prefeitura combate contrabando para "matar" corrupção

A Prefeitura instala amanhã a sua força-tarefa contra funcionários corruptos. Mais do que atacar camelôs clandestinos e fiscais corruptos, porém, os integrantes da força-tarefa vão se dedicar a combater a entrada de produtos contrabandeados e cargas roubadas. "Se atacarmos a entrada do contrabando, dos produtos pirateados e roubados, vamos conseguir matar, por inanição, o comércio clandestino e os funcionários corruptos", afirma o secretário da Implementação das Sub-Prefeituras (SIS), Jilmar Tatto. A Prefeitura não tem poder para fazer investigações sobre o crime de contrabando. "Essa atribuição é da Polícia Federal, mas a Prefeitura pode agilizar no fechamento dos locais onde encontrarem contrabando", diz o secretário. Além disso, a administração pretende apressar a aprovação do projeto do vereador Eliseu Gabriel (PDT) que permite que sejam doados para instituições de caridade produtos apreendidos com camelôs. "Vamos fazer com que os camelôs não recebam de volta as mercadorias apreendidas. É mais uma forma de inibir o comércio", diz Tatto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.