Prefeitura conclui inscrição de 22 mil ambulantes

A Prefeitura concluiu a inscrição de 22 mil ambulantes interessados em instalar suas barracas na cidade. Ainda não há previsão de quando serão concedidos os Termos de Permissão de Uso (TPUs). Estima-se que existam 25 mil ambulantes irregulares na cidade e, para coibir esse tipo de comércio, a Secretaria das Subprefeituras possui apenas 700 agentes de apreensão.Agora, as subprefeituras terão de definir, obedecendo às restrições da legislação, os locais que serão destinados aos ambulantes inscritos. Depois, os locais serão apreciados por uma Comissão Permanente de Ambulantes (CPA), formada por membros da comunidade, ambulantes e comerciantes. Cada subprefeitura tem um grupo desses.De acordo com técnicos da secretaria das Subprefeituras, a maior dificuldade está em conciliar interesses de camelôs e comerciantes. A Subprefeitura da Sé é uma das poucas que já conseguiram resolver o problema e entregar 1.244 TPUs a ambulantes que estão trabalhando de forma regular.Na área de 26 quilômetros quadrados da Sé, entretanto, existem, pelo menos, 5 mil ambulantes irregulares. No centro, eles só têm autorização para trabalhar nas Ruas 25 de Março, 24 de Maio, Quintino Bocaiúva, Senador Feijó e José Bonifácio.De acordo com os técnicos, a maioria dos ambulantes irregulares é uma espécie de "ralo", por onde escoam mercadorias roubadas e falsificadas. Na Subprefeitura da Sé existem 160 agentes de apreensão - em março, serão nomeados mais 600 - atuando no combate aos camelôs irregulares.Além disso, de tempos em tempos, uma força-tarefa composta por fiscais das subprefeituras, da Receita Federal, da Secretaria de Estado da Fazenda e integrantes do Ministério Público Estadual realiza blitze à procura de mercadorias sem nota fiscal, falsificadas, contrabandeadas ou roubadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.