Prefeitura critica inauguração "precipitada" do Rodoanel

A Prefeitura de São Paulo divulgou nesta quinta-feira nota emque critica a inauguração do trecho Oeste do Rodoanel Mário Covas, considerando-a "precipitada" e alertando para riscos de atropelamentos e alagamentos em alguns pontos. A obra ser á inaugurada amanhã às 10 horas pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, em solenidade que não terá a participação do governador Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à reeleição,devido às restricões da legislação eleitoral.Alckmin, que disputa o segundo turno com o deputado federal José Genoino (PT), companheiro de partido da prefeita Marta Suplicy, estará pela manhã em Bauru, onde assina convênio transferindo a gestão do Hospital Estadual de Bauru para a Unesp, por meio da Faculdade de Medicina de Botucatu. No entanto, a assessoria de campanha de Alckmin não deixou de exaltar oRodoanel, em nota divulgada no decorrer do dia. "Menos trânsito, poluição e acidentes; mais conforto, rapidez, economia e segurança para a população e motoristas", ressalta o texto do candidato.Mas Prefeitura argumenta em sua nota que os riscos de atropelamento são decorrentes da falta de passarelas e informa não ter sido convocada, diretamente ou através da subprefeitura de Perus, para o grupo de gerenciamento de riscos. Quanto aos riscos de alagamento, o comunicado cita a avenida Raimundo Pereira de Magalhães como possível palco do problema. O texto diz ainda que não foram concluídas obras complementares que deveriam ter sido feitas pela Dersa.O trecho Oeste tem 32 quilômetros de extensão, pista dupla com quatro faixas de rolamento em cada uma, e liga as rodovias Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castelo Branco, Anhangüera e Bandeirantes. Segundo a Dersa, o investimento total do trecho Oeste foi da ordem de R$1,2 bilhão, incluindo obras, projetos, estudos ambientais, desapropriações, reassentamentos e obras complementares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.